Mercado fechado
  • BOVESPA

    107.735,01
    -3.050,99 (-2,75%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.020,05
    -278,15 (-0,53%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,57
    +0,07 (+0,08%)
     
  • OURO

    1.786,70
    +4,80 (+0,27%)
     
  • BTC-USD

    62.756,54
    -3.023,94 (-4,60%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.491,48
    -43,16 (-2,81%)
     
  • S&P500

    4.549,78
    +13,59 (+0,30%)
     
  • DOW JONES

    35.603,08
    -6,26 (-0,02%)
     
  • FTSE

    7.190,30
    -32,80 (-0,45%)
     
  • HANG SENG

    26.017,53
    -118,49 (-0,45%)
     
  • NIKKEI

    28.722,47
    +13,89 (+0,05%)
     
  • NASDAQ

    15.414,50
    -64,25 (-0,42%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5808
    -0,0002 (-0,00%)
     

Ninguém aceitará retrocesso no Estado de Direito e na democracia, diz Pacheco

·1 minuto de leitura
Presidente do Senado, Rodrigo Pacheco

BRASÍLIA (Reuters) - O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), afirmou ter a convicção de que ninguém aceitará qualquer tipo de retrocesso no Estado de Direito e na democracia no país, após ter dito que tem faltado respeito entre as instituições.

"Nenhum retrocesso ao Estado de Direito, nenhum retrocesso à democracia. Eu tenho absoluta convicção que ninguém assimilará uma ideia que imponha algum tipo de retrocesso nesses dois conceitos", afirmou Pacheco, durante encontro organizado pela Associação Brasileira de Supermercados (Abras) em Campinas.

No evento, o presidente do Senado destacou que é preciso haver cooperação entre todos, independentemente dos partidos e da ideologia. Ainda assim, ele disse que jamais haverá subserviência ao governo federal e o Congresso não será subjugado pelo Poder Judiciário.

Para Pacheco, cujo nome tem sido aventado para concorrer ao Palácio do Planalto, o recomendado no momento é que a competição entre políticos e partidos só ocorra no momento oportuno, que é o ano eleitoral de 2022.

O residente do Senado, que também é o presidente do Congresso, defendeu que é preciso ter cooperação para se enfrentar o que chamou de "verdadeiros inimigos", citando a fome, o desemprego e a crise hídrica.

(Reportagem de Ricardo Brito)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos