Mercado fechado

Nike anuncia que vai deixar de vender seus produtos na Amazon

Rafael Arbulu

Não espere encontrar produtos novos da Nike na Amazon: segundo confirmação da própria empresa à emissora americana CNBC, a gigante do vestuário esportivo afirmou que vai terminar seu projeto de parceria com a área de varejo da companhia chefiada por Jeff Bezos, e focar na criação de novas oportunidades para oferecer seus produtos e serviços de forma mais direta ao consumidor.

Segundo uma porta-voz da Nike, a medida faz parte do desejo da empresa em criar novas experiências de compra: “Como parte do foco da Nike em elevar experiências do consumidor por meio de relações mais diretas e pessoas, nós tomamos a decisão de finalizar o nosso atual piloto com a Amazon. Nós continuaremos, porém, investindo em parcerias distintas e fortes com outros varejistas a fim de servir aos nossos consumidores globalmente”.

Acabou o amor? Nike anuncia fim da oferta de seus produtos dentro da Amazon enquanto redireciona seu foco para suas próprias plataformas de vendas para o consumidor

A oferta de vestuário da Nike na Amazon fazia parte de um projeto-piloto da empresa, que sempre se mostrou reticente em adotar a gigante de tecnologia como um de seus inúmeros pontos de venda: pela percepção da empresa, levar seus produtos à plataforma poderia fazer com que a Nike perdesse o controle de como a sua própria marca fosse representada no site. Em 2017, as empresas firmaram uma parceria que estava condicionada a um controle maior por parte da Amazon no monitoramento e interrupção de vendas de produtos falsificados ou contrabandeados da Nike.

Cerca de 30% das vendas anuais da Nike vêm da linha de venda direta ao consumidor (seu próprio marketplace e lojas físicas da marca, por exemplo). Ao final do ano fiscal, fechado em 31 de maio de 2019, a ompanhia reportou ganhos de US$ 39,1 bilhões apenas nessa área. Desde então, a empresa tem mostrado um desejo de ser mais atuante no setor de e-commerce: em outubro de 2019, a Nike anunciou a contratação de John Donahoe como o seu CEO. O executivo vem de cargos de liderança em empresas como eBay e é chairman do comitê de diretores da PayPal. Ele assume o cargo em janeiro de 2020.

A Amazon não ofereceu comentários sobre o fim da parceria no varejo, mas a Nike ressaltou que continuará utilizando a plataforma Amazon Web Services (AWS) - divisão de serviços na nuvem da Amazon - como motor de suas atividades online.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: