Mercado fechará em 7 mins
  • BOVESPA

    121.712,64
    -88,57 (-0,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.184,42
    -11,01 (-0,02%)
     
  • PETROLEO CRU

    69,08
    +0,93 (+1,36%)
     
  • OURO

    1.807,70
    -6,80 (-0,37%)
     
  • BTC-USD

    40.736,28
    +998,57 (+2,51%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.002,21
    +26,31 (+2,70%)
     
  • S&P500

    4.424,19
    +21,53 (+0,49%)
     
  • DOW JONES

    35.005,87
    +213,20 (+0,61%)
     
  • FTSE

    7.120,43
    -3,43 (-0,05%)
     
  • HANG SENG

    26.204,69
    -221,86 (-0,84%)
     
  • NIKKEI

    27.728,12
    +144,04 (+0,52%)
     
  • NASDAQ

    15.144,00
    +70,50 (+0,47%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1733
    +0,0550 (+0,90%)
     

Nicolás Maduro sinaliza desejo de aproximação com Biden

·3 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Sentado em uma cadeira dourada Luís XVI em seu gabinete em Miraflores, o enorme palácio neobarroco localizado no noroeste de Caracas, o presidente venezuelano, Nicolás Maduro, projeta uma confiança inabalável.

Durante uma entrevista de 85 minutos à Bloomberg Television, ele afirma que o país se libertou da “irracional, extremista, cruel” opressão dos EUA. Rússia, China, Irã e Cuba são aliados. A oposição a ele dentro do país é impotente. Se a Venezuela tem uma imagem ruim, é por causa de uma cara campanha para demonizar o presidente e seu governo socialista.

A grandiloquência era previsível. Mas entre denúncias contra o imperialismo ianque, Maduro fez um apelo público diretamente ao presidente americano, Joe Biden. A mensagem: chegou a hora de um acordo.

Dona da maior reserva mundial de petróleo, a Venezuela está faminta por capital e desesperada para recuperar o acesso aos mercados globais de dívida e commodities após duas décadas de transformações anticapitalistas e quatro anos de paralisantes sanções impostas pelos EUA. O país está inadimplente, sua infraestrutura em ruínas e milhões de habitantes lutam diariamente apenas para sobreviver.

“Se a Venezuela não pode produzir e vender petróleo, não pode produzir e vender seu ouro, não pode produzir e vender sua bauxita, não pode produzir ferro, etc., e não pode gerar receita no mercado internacional, como pode pagar os detentores de títulos venezuelanos?”, questiona Maduro, 58 anos. “Este mundo tem que mudar. Esta situação tem que mudar.”

E muita coisa mudou desde que Donald Trump impôs sanções a Caracas e reconheceu como presidente o líder da oposição, Juan Guaidó. O objetivo explícito do ex-presidente americano — expulsar Maduro do cargo — fracassou. Guaidó hoje está marginalizado, os venezuelanos sofrem mais do que nunca e Maduro está firme no poder.

Mas tem havido um pouco do que é urgentemente necessário para acabar com o pior desastre humanitário do Ocidente: concessões — por parte de Maduro, da oposição e de Washington.

Maduro espera que um acordo para aliviar as sanções atraia uma enxurrada de investimento estrangeiro, crie empregos e reduza a miséria.

“A Venezuela vai se tornar a terra das oportunidades”, diz ele. “Estou convidando investidores dos EUA para que eles não fiquem para trás.”

Nos últimos meses, políticos democratas dos EUA — incluindo Gregory Meeks (presidente do Comitê de Relações Exteriores da Câmara de Deputados), o deputado Jim McGovern e o senador Chris Murphy — defendem que o governo americano reconsidere sua postura. Maduro — que raramente sai de Miraflores ou da base militar onde dorme — está aguardando um sinal de que o governo Biden está pronto para negociar.

“Não houve um único sinal positivo”, diz ele. “Nenhum.”

Uma virada repentina parece improvável. Com amplo apoio do Congresso, o governo Trump acusou a Venezuela por violações de direitos humanos, eleições fraudulentas, tráfico de drogas, corrupção e manipulação cambial.

As sanções impostas a Maduro, sua esposa, dezenas de funcionários públicos e empresas estatais continuam em vigor. Embora a política de Biden de restaurar a democracia com “eleições livres e justas” seja notavelmente diferente da defendida por Trump, os EUA ainda consideram Guaidó o legítimo líder da Venezuela.

Assista aqui entrevista completa de “Front Row” com Nicolás Maduro

More stories like this are available on bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos