Mercado fechado
  • BOVESPA

    114.647,99
    +1.462,52 (+1,29%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.798,38
    +658,14 (+1,26%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,66
    +1,35 (+1,66%)
     
  • OURO

    1.768,10
    -29,80 (-1,66%)
     
  • BTC-USD

    60.623,82
    -1.496,39 (-2,41%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.464,06
    +57,32 (+4,07%)
     
  • S&P500

    4.471,37
    +33,11 (+0,75%)
     
  • DOW JONES

    35.294,76
    +382,20 (+1,09%)
     
  • FTSE

    7.234,03
    +26,32 (+0,37%)
     
  • HANG SENG

    25.330,96
    +368,37 (+1,48%)
     
  • NIKKEI

    29.068,63
    +517,70 (+1,81%)
     
  • NASDAQ

    15.144,25
    +107,00 (+0,71%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3297
    -0,0741 (-1,16%)
     

Nióbio da família Moreira Salles será usado em baterias de ônibus elétricos da Volkswagen

·3 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Quem acompanha o noticiário político já deve ter ouvido o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) falar sobre o nióbio e suas maravilhas. O uso político não ajudou a levar esse metal a sério, mas agora surge uma parceria que pode mudar essa história. A VWCO (Volkswagen Ônibus e Caminhões) anunciou nesta quinta-feira (16) que o elemento será usado nas baterias de seus veículos elétricos.

A produção está a cargo da CBMM, sediada em Araxá (MG), que é líder mundial na produção e comercialização de produtos de nióbio. A empresa, desde os anos de 1960, tem como controlador a família Moreira Salles, que também é acionista de companhias como Alpargatas e Itaú Unibanco. Os Moreira Salles têm 70% da CBMM. Os chineses controlam 15%, e os outros 15% pertencem a um consórcio formado por japoneses e sul-coreanos.

"A vantagem está na recarga ultrarrápida, o tempo pode cair de quatro horas para seis minutos", diz Roberto Cortes, presidente da VWCO. "E tempo de parada vale dinheiro."

A VW foi a primeira empresa a fabricar um caminhão elétrico no Brasil, o eDelivery, lançado em julho. Apesar do preço alto em relação aos modelos a diesel de mesmo porte --a versão 4×2 com 110 quilômetros de autonomia parte de R$ 780 mil--, há fila de espera pelo modelo. A montadora pretende dobrar a produção assim que o fornecimento de componentes permitir.

Mas o uso do nióbio viabiliza um sonho maior da VWCO. As novas baterias serão utilizadas nos futuros ônibus elétricos da empresa.

"A aplicação inicial será nos ônibus, a ideia é usar um sistema parecido com o pantógrafo para recarga", afirma Cortes.

Mas em vez de o equipamento permanecer ligado o tempo todo à rede elétrica, como ocorre nos trólebus, a conexão ocorrerá nos pontos finais de parada, onde as baterias do veículo serão reabastecidas.

A CBMM atua com produtos industrializados de nióbio, que não é um minério ou uma commodity. O elemento passa por diversos processos químicos e metalúrgicos até estar pronto para ser utilizado.

Segundo a empresa, o nióbio pode ser manufaturado a partir de minérios diversos, como pirocloro e columbita. O produto usado na bateria será o óxido de nióbio, com atuação complementar nas baterias de íon de lítio.

Ricardo Lima, vice-presidente da CBMM, explica que o metal substitui o anodo de carbono. Segundo o executivo, a troca elimina os riscos de superaquecimento e explosões, o que permite fazer recargas super-rápidas sem riscos.

Cortes diz que, embora a mudança encareça as baterias, a velocidade de reabastecimento vai reduzir a necessidade de um conjunto muito grande de baterias - o que por si só representará uma boa economia. Os veículos também ficarão mais leves, o que aumenta a capacidade de carga.

A tecnologia foi desenvolvida pela CBMM em parceria com a japonesa Toshiba. O primeiro protótipo começará a rodar em 2022 dentro da fábrica da VWCO, em Resende (RJ).

Lima diz que o nióbio não é um metal raro: há pelo menos 85 reservas conhecidas no mundo. A CBMM tem planos de expandir a operação para atender à indústria global. "Se pegarmos só as nossas reservas em Araxá, temos mais de 100 anos de vida útil."

Hoje a empresa tem capacidade para produzir 150 mil toneladas de nióbio por ano, e a demanda estimada é de 120 mil toneladas em 2022. O elemento já é muito utilizado na siderurgia.

Uma das aplicações está na construção de carrocerias automotivas. Associado ao aço, o nióbio confere alta resistência com tenacidade, evitando que o componente seja partido ou deformado em caso de colisão, explica Lima.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos