Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.812,87
    +105,11 (+0,09%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.729,80
    -4,24 (-0,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    90,65
    +0,15 (+0,17%)
     
  • OURO

    1.768,60
    -2,60 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    22.937,01
    -504,90 (-2,15%)
     
  • CMC Crypto 200

    544,77
    -12,97 (-2,32%)
     
  • S&P500

    4.283,74
    +9,70 (+0,23%)
     
  • DOW JONES

    33.999,04
    +18,72 (+0,06%)
     
  • FTSE

    7.541,85
    +26,10 (+0,35%)
     
  • HANG SENG

    19.763,91
    -158,54 (-0,80%)
     
  • NIKKEI

    29.036,90
    +94,76 (+0,33%)
     
  • NASDAQ

    13.501,50
    -21,75 (-0,16%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2349
    +0,0211 (+0,40%)
     

Nheengatu, língua sob ameaça na Amazônia, merecia um filme melhor

·2 min de leitura

FOLHAPRESS - O nheengatu, também chamado de língua geral, se consolidou ao longo dos séculos 16 e 17 na Amazônia. Vem, grosso modo, da união do vocabulário tupi com a gramática da língua portuguesa e servia como forma de comunicação entre índios e jesuítas durante a colonização.

Como escreveu o sociólogo José de Souza Martins no jornal Folha de S.Paulo, "é a verdadeira língua nacional brasileira".

O nheengatu era muito falado na região até o século 18, quando foi proibido pelo rei de Portugal, mas se manteve vivo ao longo dos dois séculos seguintes. Hoje, no entanto, o idioma definha --está "severamente ameaçado", segundo o Atlas de Línguas em Perigo da Unesco. Há cerca de 6.000 falantes, especialmente em comunidades às margens do rio Negro na Amazônia brasileira e também na Colômbia e na Venezuela.

Um idioma antes dominante num território enorme e hoje talvez nos seus últimos suspiros é um tema fecundo para um documentário. Pode interessar a quem gosta de linguística e história do Brasil. No entanto, "Nheengatu", dirigido pelo português José Barahona, não faz jus à riqueza do assunto.

O cineasta também percorre questões da religião, da alimentação e até da política como se não confiasse que a língua, por si só, fosse suficiente como matéria-prima para um documentário. Essa indefinição resulta numa amálgama muitas vezes superficial.

Levados por um barco pelo rio Negro, Barahona e sua equipe desembarcaram em algumas comunidades onde sabiam que o nheengatu ainda era falado e ficavam poucos dias em cada um desses locais.

Ao longo da viagem, ouvem dos indígenas que o nheengatu só resiste entre os mais velhos, os mais jovens não querem saber de cultivar a língua dos ancestrais. Uma indígena idosa mostra uma Bíblia traduzida para o idioma. Há ainda passagens em que familiares ou amigos do Alto Rio Negro conversam em nheengatu --aparecem legendas em português.

Alguns momentos são apenas triviais, outros são curiosos, mas a abordagem raramente vai além das águas rasas. Um contraponto é a participação de um idoso que, enquanto rema sua canoa, conta a história de um deus transformado em gafanhoto. Ele está entre os poucos personagens ligados à espiritualidade dos antepassados. As religiões cristãs, especialmente as evangélicas, são predominantes na região.

Aliás, o filme parece mais atento aos dilemas da fé do que da língua, mas mesmo nessa seara não apresenta surpresas e nem sequer se aproxima da complexidade do assunto, como faz "Ex-Pajé" (2018), de Luiz Bolognesi.

Por outro lado, as imagens do rio Negro captadas pela equipe de Barahona durante o dia e à noite são formidáveis. É uma ironia que um filme dedicado a uma língua cresça justamente quando se expressa sem palavras.

NHEENGATU – O FILME

Produção: Brasil/Portugal, 2020

Direção: José Barahona

Onde: nos cinemas

Avaliação: regular

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos