Mercado fechado

Nextel Brasil, vendida à América Móvil, tem perdas de US$ 27,7 milhões no 3º tri

Alexandre Melo

Entre janeiro e setembro, a perda da tele cai 60%, para US$ 65,4 milhões A Nextel Brasil, controlada pela NII Holdings, teve prejuízo de US$ 27,7 milhões no terceiro trimestre de 2019, uma queda de 11% em relação a igual período do ano passado. Entre janeiro e setembro, a perda cai 60%, para US$ 65,4 milhões.

De julho a setembro, a receita operacional da operadora de telecomunicações alcançou US$ 146 milhões, avanço de 3%. As despesas da operação foram de US$ 113 milhões no período, queda de 13%. O resultado operacional antes de depreciação e amortização foi de US$ 32 milhões no período, uma expansão de 2,7 vezes em relação aos US$ 12 milhões reportados um ano antes.

Vendida em março por R$ 3,47 bilhões à mexicana América Móvil, dona da Claro, a Nextel possuía 3,52 milhões de assinantes no fim de setembro, crescimento de 10% na comparação anual. A operadora tem cerca de 4% da base de clientes pós-pagos do país.

A receita média mensal por usuário (Arpu, na sigla em inglês) da operadora no Brasil teve queda de 6,7% no trimestre, para US$ 14, mas ficou estável em relação ao segundo trimestre deste ano.

No terceiro trimestre, o prejuízo atribuído aos controladores da NII Holdings somou US$ 29,9 milhões, recuo de 27%. No acumulado deste ano, a perda foi reduzida em 73%, para US$ 38,5 milhões.

A aquisição da Nextel Brasil pela América Móvil, que tinha sido aprovada pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) e pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), agora é contestada pela TIM no órgão antitruste. Em 22 de outubro, a TIM interpôs recurso no Cade contestando a decisão da Superintendência Geral sobre a operação. O pleito da rival foi aceito e será reavaliado pelo plenário do Cade, o que pode acontecer até março do ano que vem.