Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.132,53
    +346,23 (+0,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.200,59
    -535,89 (-1,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,86
    +0,95 (+2,12%)
     
  • OURO

    1.806,10
    +1,50 (+0,08%)
     
  • BTC-USD

    18.821,34
    -219,50 (-1,15%)
     
  • CMC Crypto 200

    371,28
    +0,76 (+0,21%)
     
  • S&P500

    3.629,65
    -5,76 (-0,16%)
     
  • DOW JONES

    29.872,47
    -173,77 (-0,58%)
     
  • FTSE

    6.391,09
    -41,08 (-0,64%)
     
  • HANG SENG

    26.669,75
    +81,55 (+0,31%)
     
  • NIKKEI

    26.296,86
    +131,27 (+0,50%)
     
  • NASDAQ

    12.168,75
    +92,75 (+0,77%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3381
    -0,0588 (-0,92%)
     

Netflix quer usar técnicas do TikTok para que você assista a ainda mais coisas

Wagner Wakka
·1 minuto de leitura

A Netflix está experimentando técnicas parecidas com as adotadas pelo TikTok para fazer seus usuários assistirem a mais conteúdos da plataforma. A empresa lançou, em caráter de testes para algumas regiões, o Fast Laughts, uma aba no aplicativo mobile com vídeos curtos divertidos, baseados em seus catálogos.

O sistema funciona basicamente como o TikTok, com vídeos verticais em tela cheia, diferentes “canais” na parte debaixo e uma série de botões no lado direito. Todos os vídeos são pequenas brincadeiras de até 45 segundos com atores e conteúdos de suas séries e filmes mais populares. Ah, e não, não tem dancinhas.

Diferente do TikTok, no qual o importante é interação, o objetivo da Netflix com o mecanismo é incentivar pessoas a conhecerem novas séries e colocarem produções em suas listas para ver depois.

De acordo com o TechCrunh, a funcionalidade ainda está em caráter de testes para algumas regiões apenas, como Estados Unidos e Reino Unido. Segundo a Netflix, é mais um de seus testes A/B, que a empresa faz recorrentemente no app.

Assim, ainda não é possível saber se a funcionalidade será mantida para os atuais usuários, nem mesmo se será levada a mais mercados, como o brasileiro.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: