Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.716,00
    -2.354,48 (-2,06%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.395,94
    -928,98 (-2,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,43
    -4,06 (-4,86%)
     
  • OURO

    1.651,70
    -29,40 (-1,75%)
     
  • BTC-USD

    18.905,64
    -108,82 (-0,57%)
     
  • CMC Crypto 200

    434,61
    -9,92 (-2,23%)
     
  • S&P500

    3.693,23
    -64,76 (-1,72%)
     
  • DOW JONES

    29.590,41
    -486,27 (-1,62%)
     
  • FTSE

    7.018,60
    -140,92 (-1,97%)
     
  • HANG SENG

    17.933,27
    -214,68 (-1,18%)
     
  • NIKKEI

    27.153,83
    -159,30 (-0,58%)
     
  • NASDAQ

    11.388,00
    -177,50 (-1,53%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,0976
    +0,0649 (+1,29%)
     

Netflix quer passar na frente do Disney+ e pode lançar plano barato em novembro

O relógio está correndo para a Netflix quando o assunto é o lançamento de sua versão mais barata e monetizada por anúncios. Agora, fontes do mercado de entretenimento apontam que a nova modalidade de assinatura pode chegar no dia 1º de novembro aos mercados dos Estados Unidos, Canadá, Reino Unido, França e Alemanha, em uma tentativa de passar na frente do Disney+.

A pressa se deve ao fato de a concorrente também estar prestes a lançar uma versão em conta de sua assinatura nos EUA. O chamado plano Basic, que ainda não tem previsão para o Brasil, chegariam em dezembro aos usuários americanos custando US$ 7,99, aproximadamente R$ 41 em uma conversão direta. A expectativa de que a alternativa pode acabar corroendo ainda mais a base de assinantes da Netflix teria feito ela decidir pisar no acelerador.

Netflix quer lançar novo plano de assinatura mais barato antes do Disney+ (Imagem: Reprodução/Unsplash)
Netflix quer lançar novo plano de assinatura mais barato antes do Disney+ (Imagem: Reprodução/Unsplash)

Oficialmente, a informação mais recente é de que a Netflix estaria mirando o início do ano que vem para o lançamento de sua assinatura com anúncios. A expectativa da própria empresa é de que o tier custe entre US$ 7 e US$ 9, mais ou menos metade do plano mais barato disponível nos EUA. Em conversão, os valores nacionais seriam de R$ 35 a R$ 45, preços maiores que o mais barato oferecido hoje pela empresa, mas é importante lembrar que essa métrica não valeria por aqui, já que a Netflix trabalha com preços adaptados à realidade local. Seguindo a mesma lógica, a alternativa, para o Brasil, pode variar entre R$ 13 e R$ 15.

Em comentário oficial à Variety, que vazou a data nesta sexta (02), a Netflix disse não ter nada a declarar. Ela apenas comentou que ainda está no início dos trabalhos relacionados a um plano mais barato, focado em anúncios, mas que nenhuma decisão nesse sentido foi feita até o momento, quanto menos uma estimativa de lançamento.

A companhia também não falou sobre a disponibilidade de conteúdo, com possíveis limitações ou janelas de lançamento diferentes para grandes produções originais servindo como incentivos para assinatura dos pacotes superiores.

Ideia da empresa não é lançar plano gratuito, mas sim mais em conta respaldado por publicidade (Imagem: Reprodução/Thibault Penin, Unsplash)
Ideia da empresa não é lançar plano gratuito, mas sim mais em conta respaldado por publicidade (Imagem: Reprodução/Thibault Penin, Unsplash)

Note a fala, especificamente, sobre uma assinatura mais barata e não sobre gratuidade, como chegou a aparecer na fala de Francisco “Paco” Ramos, vice-presidente de conteúdo da Netflix para a América Latina. Durante o evento de lançamento da série brasileira Maldivas, em junho, ele afirmou que o serviço estava trabalhando em uma opção de assinatura gratuita monetizada por anúncios, com a empresa voltando atrás e, depois, afirmando não haver informações sobre uma versão “de graça” do serviço.

Na ocasião, a companhia deu a entender que o novo pacote mais em conta também deve chegar ao Brasil por um valor abaixo do menor atual, R$ 25,90, e que não existem garantias de que todo o catálogo também estará disponível nessa opção. Faltou, claro, uma data para a possível chegada dessa alternativa a nosso país, assim como o valor a ser cobrado.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: