Mercado abrirá em 1 h 26 min
  • BOVESPA

    119.297,13
    +485,13 (+0,41%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.503,71
    +151,51 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,09
    +0,91 (+1,51%)
     
  • OURO

    1.743,00
    -4,60 (-0,26%)
     
  • BTC-USD

    64.414,79
    +1.687,32 (+2,69%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.389,65
    +95,66 (+7,39%)
     
  • S&P500

    4.141,59
    +13,60 (+0,33%)
     
  • DOW JONES

    33.677,27
    -68,13 (-0,20%)
     
  • FTSE

    6.906,84
    +16,35 (+0,24%)
     
  • HANG SENG

    28.900,83
    +403,58 (+1,42%)
     
  • NIKKEI

    29.620,99
    -130,61 (-0,44%)
     
  • NASDAQ

    14.015,50
    +39,75 (+0,28%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,8333
    +0,0021 (+0,03%)
     

Netflix faz testes para limitar o uso de senhas compartilhadas, segundo a mídia

·1 minuto de leitura
Nesta foto de arquivo, uma tela de computador exibe o logotipo da Netflix em 31 de março de 2020 em Arlington, Virgínia

A gigante americana de streaming Netflix, que sempre foi permissiva sobre seus usuários compartilharem suas senhas, pode estar prestes a mudar de posição, segundo diversos meios de comunicação americanos.

Os clientes da plataforma receberam uma mensagem de alerta nesta semana para verificar se moravam no mesmo local que o dono da conta. Para ter certeza disso, a Netflix se oferece para enviar um código por e-mail ou mensagem de texto.

Caso contrário, o usuário é convidado a se cadastrar gratuitamente por um período de 30 dias.

"Este teste é para garantir que as pessoas que usam contas Netflix sejam autorizadas a fazê-lo", disse um porta-voz da empresa em um comunicado enviado a vários meios de comunicação dos Estados Unidos, incluindo o site especializado The Streamable, que divulgou a notícia pela primeira vez.

De acordo com uma pesquisa realizada em fevereiro de 2020 pela consultoria Magid, um terço dos usuários de serviços de streaming como o Netflix compartilham suas senhas com pessoas que não moram com elas.

Essa prática é tolerada há muito tempo pela Netflix, apesar de ser oficialmente proibida pela política da empresa da Califórnia.

A empresa consolidou sua posição como número um em streaming de vídeo pago no final de 2020, ultrapassando 200 milhões em todo o mundo pela primeira vez.

Sua base de usuários cresceu consideravelmente como resultado da pandemia covid-19 e dos confinamentos.

dho/vgr/gma/dg/jc/am