Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.560,83
    +362,83 (+0,31%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.326,68
    +480,88 (+1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    89,05
    +0,60 (+0,68%)
     
  • OURO

    1.720,00
    -0,80 (-0,05%)
     
  • BTC-USD

    19.902,48
    -276,95 (-1,37%)
     
  • CMC Crypto 200

    456,11
    -7,01 (-1,51%)
     
  • S&P500

    3.744,52
    -38,76 (-1,02%)
     
  • DOW JONES

    29.926,94
    -346,96 (-1,15%)
     
  • FTSE

    6.997,27
    -55,35 (-0,78%)
     
  • HANG SENG

    18.012,15
    -75,85 (-0,42%)
     
  • NIKKEI

    27.311,30
    +190,80 (+0,70%)
     
  • NASDAQ

    11.498,00
    -43,75 (-0,38%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,0943
    -0,0419 (-0,82%)
     

Netflix aumenta o número de executivos negros e mulheres no quadro de funcionários

·3 min de leitura
A Netflix aumentou a diversidade de sua equipe nos EUA, incluindo mais altos executivos negros. (REUTERS/Dado Ruvic/Illustration) (REUTERS)
  • Netflix apresentou relatório mostrando aumento da diversidade na sua equipe nos EUA

  • O número de funcionários negros na Netflix cresceu mais de 40% de 2020 a 2021

  • Força de trabalho hispânica da empresa de streaming continua sub-representada entre os funcionários

A Netflix aumentou a diversidade de sua equipe nos EUA, incluindo mais altos executivos negros, à medida que a empresa procura que sua força de trabalho reflita melhor a população em geral.

Leia mais

O número de funcionários negros na Netflix cresceu mais de 40% de 2020 a 2021, aumentando sua participação na força de trabalho em tempo integral da empresa nos EUA para 10,7%, disse a empresa em seu segundo relatório anual de inclusão na quinta-feira.

Os funcionários negros agora ocupam pouco mais de 13% dos cargos de liderança nos EUA, enquanto as mulheres representam mais da metade dos funcionários e líderes em tempo integral da Netflix em todo o mundo. Esses números excedem sua participação na população dos EUA. A força de trabalho hispânica da empresa de streaming, com 8,6%, continua sub-representada entre os funcionários em tempo integral, mostram os dados.

O quadro é menos róseo na força de trabalho mais ampla da empresa, que inclui funcionários temporários para cinema e TV. Esses trabalhadores são menos femininos, menos negros e mais propensos a incluir uma alta parcela de trabalhadores hispânicos em empregos de nível inferior, como operários – dados demográficos que continuam a perseguir Hollywood em geral. A população dos EUA no Censo de 2020 era pouco mais de 50% feminina, 12,4% negra, 18,7% hispânica e 6% asiática, usando as mesmas classificações que a Netflix emprega para medir seus trabalhadores.

A Netflix aumentou a diversidade de sua equipe nos EUA, incluindo mais altos executivos negros. (REUTERS/Wolfgang Rattay)
A Netflix aumentou a diversidade de sua equipe nos EUA, incluindo mais altos executivos negros. (REUTERS/Wolfgang Rattay)

Empresas optam por ‘transparência total’

A Netflix faz parte de uma lista crescente de empresas que optam pela transparência total da composição de gênero e raça de seus funcionários, mesmo quando ainda não refletem sua base de clientes ou a população em geral. A força de trabalho da Netflix tem sido historicamente mais asiática – pouco menos de um quarto dos funcionários – e, até recentemente, mais masculina. Empresas como Starbucks e Target fornecem detalhamento de sua força de trabalho em diferentes funções. A Intel também inclui informações sobre remuneração entre raças e gêneros.

Além das informações de gênero de 2021 sobre seus 10.000 funcionários globais e as informações de raça para 7.300 trabalhadores dos EUA, a Netflix também lançou formulários EEO-1 para 2019 e 2020 que mostravam a discriminação de gênero e raça de sua força de trabalho entre 10 classificações de trabalho. A Netflix diz que o formulário EEO-1, que empresas com 100 ou mais trabalhadores devem enviar anualmente à Comissão de Oportunidades Iguais de Emprego dos EUA, inclui trabalhadores temporários de cinema e TV que podem flutuar durante o ano.

Em 2020, a força de trabalho de mais de 13.000 pessoas era 60% masculina, cerca de 9% negra e quase 13% hispânica – com trabalhadores hispânicos concentrados nos níveis mais baixos de trabalhadores. Os números do EEO-1 indicam que a representação negra melhorou em relação ao relatório de 2019, mesmo quando as mulheres caíram em participação. A liberação do EEO-1 ao público é voluntária.