Mercado fechado
  • BOVESPA

    96.582,16
    +1.213,40 (+1,27%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    36.801,37
    -592,34 (-1,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    36,40
    +0,23 (+0,64%)
     
  • OURO

    1.871,10
    +3,10 (+0,17%)
     
  • BTC-USD

    13.574,50
    +143,83 (+1,07%)
     
  • CMC Crypto 200

    266,07
    +23,39 (+9,64%)
     
  • S&P500

    3.310,11
    +39,08 (+1,19%)
     
  • DOW JONES

    26.659,11
    +139,16 (+0,52%)
     
  • FTSE

    5.581,75
    -1,05 (-0,02%)
     
  • HANG SENG

    24.451,37
    -135,23 (-0,55%)
     
  • NIKKEI

    23.126,22
    -205,72 (-0,88%)
     
  • NASDAQ

    11.185,50
    -157,25 (-1,39%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7514
    +0,0058 (+0,09%)
     

Netflix aposta em mercado móvel para crescer na África

Tope Alake e Thomas Pfeiffer
·2 minutos de leitura

(Bloomberg) -- A Netflix se tornou o maior serviço de streaming por assinatura do mundo ao inundar o mercado com conteúdo popular mais barato do que a concorrência.

No entanto, cinco anos depois de chegar à África, a empresa dos Estados Unidos ainda encontra obstáculos para crescer além do segmento mais rico da população, desafiada pela pobreza, pirataria e acesso limitado à banda larga. Em um continente com mais de um bilhão de pessoas, o serviço tem 1,4 milhão de assinantes, de acordo com a Digital TV Research. O número se compara a quase 20 milhões de clientes da empresa africana de TV paga MultiChoice Group.

Agora, a Netflix acelera a marcha. A empresa testa assinaturas mais baratas e exclusivas para serviços móveis e encomenda mais programas produzidos localmente para refletir culturas e experiências de africanos no dia a dia.

Um importante campo de batalha é a Nigéria, a maior economia da África Subsaariana e o coração de sua indústria de TV. A rápida expansão das redes móveis 4G oferece aos serviços de streaming um novo canal para atingir o público, desde que possam pagar.

“Para que a Netflix alcance toda a região com um preço mais alto, o mercado móvel será crucial”, disse Ben McMurray, da Ampere Analysis.

A Netflix testa se usuários comprarão o serviço exclusivo para aparelhos móveis por 1.200 nairas (US$ 2,65) por mês, bem abaixo do valor de 2.900 nairas cobrado pela assinatura mais básica. Com mais de 100 milhões de nigerianos vivendo com menos de US$ 1,90 por dia, ainda pode ser um exagero.

A oferta ainda é mais cara do que o equivalente a 250 nairas por mês cobrados pela Iroko, uma plataforma de streaming que tem o maior catálogo online de conteúdo de ‘Nollywood' nigeriano, como a comédia de sucesso “Jenifa’s Diary”.

“Queremos contar histórias incríveis adaptadas a diferentes idiomas, gostos e humores diferentes”, disse um porta-voz da Netflix em respostas por e-mail às perguntas. “Sabemos o quanto é importante ter um quadro que ofereça diversidade e variedade.”

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.