Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.487,88
    +1.482,66 (+1,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.518,30
    +228,39 (+0,45%)
     
  • PETROLEO CRU

    112,70
    +0,49 (+0,44%)
     
  • OURO

    1.845,10
    +3,90 (+0,21%)
     
  • BTC-USD

    29.262,89
    -1.038,21 (-3,43%)
     
  • CMC Crypto 200

    650,34
    -23,03 (-3,42%)
     
  • S&P500

    3.901,36
    +0,57 (+0,01%)
     
  • DOW JONES

    31.261,90
    +8,77 (+0,03%)
     
  • FTSE

    7.389,98
    +87,24 (+1,19%)
     
  • HANG SENG

    20.717,24
    +596,56 (+2,96%)
     
  • NIKKEI

    26.739,03
    +336,19 (+1,27%)
     
  • NASDAQ

    11.838,00
    -40,25 (-0,34%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1528
    -0,0660 (-1,26%)
     

Nervosismo do mercado sobe além da conta até para dia de Fed

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

(Bloomberg) -- Dias em que o Federal Reserve anuncia sua política monetária costumam ser um momento de maior ansiedade para os mercados financeiros. Nessa quarta-feira o estresse foi além da conta.

Desde ações a títulos e moedas, a turbulência ficou muito alta antes da reunião em que o banco central americano deverá aumentar juros em 0,5 ponto percentual, a primeira alta dessa magnitude desde 2000.

Em todos os tipos de ativos, a volatilidade implícita subiu para níveis não vistos em nenhuma sessão pré-Fed em mais de uma década.

O nervosismo está em toda parte depois que as ações e os títulos tiveram sua pior liquidação mensal conjunta desde a crise financeira global, enquanto o dólar subiu para uma máxima de 20 anos contra as principais moedas.

Embora a turbulência possa corroborar a visão de que o Fed teve sucesso em sua transparência, a velocidade e a duração dos aumentos futuros permanecem obscuras. Uma questão que paira sobre os investidores é se o aperto nas condições financeiras será rápido o suficiente para esfriar a economia.

“Se a resposta a essa pergunta for não – e o crescimento econômico continuar bem acima da tendência – as condições financeiras precisam apertar mais”, disse Dennis DeBusschere, fundador da 22V Research. “Embora os movimentos nos yields nominais e reais de 10 anos e no dólar tenham sido dramáticos, a preocupação é que eles possam continuar se a economia dos EUA não desacelerar ainda mais.”

Esse é o cenário que os investidores enfrentam: com o banco central embarcando em uma campanha para combater a inflação que está em uma máxima de quatro décadas, o Fed rapidamente se transformou de aliado em inimigo.

As consequências são evidentes nos mercados de derivativos em todos os ativos. No fechamento de terça-feira, o Cboe Volatility Index, ou VIX, um indicador de custos para as opções do S&P 500, estava acima de sua média de longo prazo.

O ICE BofA MOVE Index, um indicador semelhante para títulos do Tesouro, pairou perto das máximas atingidas no auge da crise em março de 2020. O mesmo aconteceu com o JPMorgan Global FX Volatility Index.

Combinados, o total das três medidas de volatilidade superou níveis no dia anterior a qualquer anúncio de política do Fed desde 2011.

No passado, um ambiente de baixa inflação permitia ao FOMC “repetidamente reverter o curso ao primeiro sinal de volatilidade do mercado, o que se tornou o procedimento operacional padrão”, disse Michael O’Rourke, estrategista-chefe de mercado da JonesTrading. “Hoje, o banco central está tão atrás da curva em política de inflação que não pode reverter o curso tão cedo.”

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos