Mercado fechado

Nervosismo por coronavírus derruba bolsas e petróleo

Por Anne PADIEU
Bolsa de Nova York em 5 de março de 2020

O nervosismo com a epidemia de coronavírus, que ultrapassou os 100.000 afetados em todo o mundo, e a falta de acordo entre a Opep e a Rússia, entraram em colapso nas bolsas de valores e arrastaram o petróleo para um novo dia de queda.

Paris fechou com baixa de 4,14%; Frankfurt, 3,37%; Londres, 3,5%; Madri, 3,5% e Milão perdeu 3,7%.

Anteriormente, os mercados de ações asiáticos também haviam registrado perdas, embora em menor grau.

Wall Street, de acordo com especialistas, estava se preparando para uma queda acentuada na abertura, embora o presidente dos EUA, Donald Trump, estivesse convencido de que a Bolsa "vai se recuperar" como o resto dos mercados.

O petróleo acentuou sua queda devido ao fracasso das negociações para cortar a produção entre a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e a Rússia.

Às 16h30 GMT (13h30 horário de Brasília), o barril de Brent para entrega em maio ficou em US$ 45,42 em Londres, uma queda de 9,10% em comparação com o fechamento de quinta-feira. Em Nova York, o barril do WTI para abril ficou 8,63%, até US$ 41,94.

A precária recuperação experimentada pelos mercados no início da semana foi completamente apagada, e os investidores buscam refúgio em qualquer lugar. O ouro atingiu seu preço mais alto nos últimos sete anos, com alta de 5% durante a semana.

A taxa dos títulos do Tesouro dos EUA de 10 anos bateu o mínimo, assim como a taxa alemã com o mesmo prazo, que atualmente possui os mesmos níveis de setembro do ano passado, seu recorde para o mínimo histórico.

O corte na taxa de referência feita pelo Federal Reserve e os anúncios de coordenação entre instituições internacionais não estão tendo o efeito desejado.

Todos os olhos na Europa estão agora sobre Banco Central Europeu (BCE), que revelará suas intenções na próxima semana, embora tenha muito menos espaço de manobra do que o Federal Reserve.

"Tudo o que puder contribuir para conter o pânico e reduzir o preço da liquidez é bem-vindo, mesmo que os efeitos não sejam vistos no momento", disse Bruno Cavalier, economista-chefe da Oddo BHF.

É a incerteza que está minando os mercados, pois não se sabe quando as medidas drásticas que muitos países adotaram para impedir a propagação do vírus, como o confinamento da população, o cancelamento de congressos mundiais, terminarão.