Mercado fechado
  • BOVESPA

    93.952,40
    -2.629,76 (-2,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    36.987,86
    +186,49 (+0,51%)
     
  • PETROLEO CRU

    35,72
    -0,45 (-1,24%)
     
  • OURO

    1.878,80
    +10,80 (+0,58%)
     
  • BTC-USD

    13.603,88
    +56,89 (+0,42%)
     
  • CMC Crypto 200

    265,42
    +1,78 (+0,68%)
     
  • S&P500

    3.269,96
    -40,15 (-1,21%)
     
  • DOW JONES

    26.501,60
    -157,51 (-0,59%)
     
  • FTSE

    5.577,27
    -4,48 (-0,08%)
     
  • HANG SENG

    24.107,42
    -479,18 (-1,95%)
     
  • NIKKEI

    22.977,13
    -354,81 (-1,52%)
     
  • NASDAQ

    11.089,00
    -253,75 (-2,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6872
    -0,0584 (-0,87%)
     

Neoenergia Renováveis fecha compra de projetos eólicos na Bahia por R$80 mi

·1 minuto de leitura
Fachada de edifício da Neoenergia no Rio de Janeiro
Fachada de edifício da Neoenergia no Rio de Janeiro

SÃO PAULO (Reuters) - A Neoenergia Renováveis, controlada de forma indireta pela Neoenergia <NEOE3.SA>, firmou contrato com a PEC Energia para comprar projetos "pipeline" de geração de energia eólica, com potencial a ser instalado de aproximadamente 400 MW, na Serra da Gameleira, na Bahia.

O valor total da aquisição pode chegar a 80 milhões de reais, a serem pagos a partir do fechamento da operação e em função do atingimento de determinados marcos de desenvolvimento dos parques, segundo a elétrica.

A companhia disse ainda em comunicado nesta sexta-feira que passou a ser titular do direito ao futuro exercício de Opção de Compra, junto à PEC Energia, de outros projetos eólicos na região da Serra da Gameleira.

A opção poderá ser exercida a critério da Neoenergia Renováveis.

"A aquisição reforça a execução do plano estratégico de longo prazo da Neoenergia, atendendo às políticas de rentabilidade e alocação eficiente de capital do Grupo, além do comprometimento em ampliar a participação de fontes de energia renovável na matriz energética brasileira...", disse.

(Por Roberto Samora)