Mercado fechará em 1 h 58 min
  • BOVESPA

    109.435,69
    +1.422,22 (+1,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.751,59
    -71,64 (-0,14%)
     
  • PETROLEO CRU

    87,65
    +0,69 (+0,79%)
     
  • OURO

    1.842,00
    -1,20 (-0,07%)
     
  • BTC-USD

    43.282,13
    +1.332,00 (+3,18%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.029,06
    +33,80 (+3,40%)
     
  • S&P500

    4.591,59
    +58,83 (+1,30%)
     
  • DOW JONES

    35.431,25
    +402,60 (+1,15%)
     
  • FTSE

    7.585,01
    -4,65 (-0,06%)
     
  • HANG SENG

    24.952,35
    +824,50 (+3,42%)
     
  • NIKKEI

    27.772,93
    +305,70 (+1,11%)
     
  • NASDAQ

    15.285,25
    +251,75 (+1,67%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1294
    -0,0380 (-0,62%)
     

Negros na Alemanha sofrem ‘extensa’ discriminação, diz pesquisa

·2 min de leitura

(Bloomberg) -- Os negros que vivem na Alemanha enfrentam problemas generalizados com racismo e discriminação, de acordo com uma pesquisa que marca o primeiro esforço em grande escala para registrar as experiências da comunidade.

Most Read from Bloomberg

“Os resultados da Afrozensus indicam que o racismo anti-negro é generalizado na Alemanha e ancorado nas instituições”, disse um comunicado sobre o relatório. “Não há área da vida em que a discriminação e o racismo não sejam problemas extensos.”

A pesquisa, que foi organizada conjuntamente por um grupo comunitário negro baseado em Berlim chamado Each One Teach One e o Citizens for Europe, oferece algumas das primeiras informações sobre as mais de 1 milhão de pessoas que vivem na Alemanha com origem africana. Foram entrevistadas cerca de 6.000 pessoas entre julho e setembro de 2020.

A Alemanha não coleta informações sobre a origem étnica ou racial de seus residentes desde o fim da Segunda Guerra Mundial, com o governo argumentando que as autoridades nunca mais deveriam ser capazes de identificar comunidades em risco de perseguição. Embora a medida possa ser bem-intencionada, os críticos da abordagem argumentaram que a falta de dados resultante disso permite que o racismo seja varrido para debaixo do tapete, tornando-o quase impossível de rastrear.

A composição racial do país é mais complexa do que o que se reflete nas estatísticas oficiais, que classificam as pessoas como estrangeiras, alemãs ou alemãs “com histórico de migração”. A última categoria agrupa diversas comunidades e não contabiliza os descendentes de imigrantes de segunda ou terceira geração, que ainda podem estar sujeitos à discriminação.

Um em cada quatro entrevistados da Afrozensus, por exemplo, não tem “histórico de migração”, de acordo com o relatório.

O mercado imobiliário, os serviços de segurança e a polícia foram identificados como áreas particularmente propensas à discriminação contra os negros, com mais de 60% afirmando que isso ocorre “com muita frequência”.

A pesquisa também mostrou que a comunidade negra da Alemanha foi particularmente afetada pelos efeitos econômicos da pandemia. Quase um em cada sete entrevistados disse que perdeu o emprego devido à crise.

Most Read from Bloomberg Businessweek

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos