Mercado fechado
  • BOVESPA

    109.567,12
    +1.553,65 (+1,44%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.686,20
    -137,03 (-0,26%)
     
  • PETROLEO CRU

    86,29
    -0,67 (-0,77%)
     
  • OURO

    1.841,00
    -2,20 (-0,12%)
     
  • BTC-USD

    42.930,99
    +1.073,77 (+2,57%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.020,45
    +25,18 (+2,53%)
     
  • S&P500

    4.552,28
    +19,52 (+0,43%)
     
  • DOW JONES

    35.191,57
    +162,92 (+0,47%)
     
  • FTSE

    7.585,01
    -4,65 (-0,06%)
     
  • HANG SENG

    24.952,35
    +824,50 (+3,42%)
     
  • NIKKEI

    27.772,93
    +305,70 (+1,11%)
     
  • NASDAQ

    15.113,00
    +79,50 (+0,53%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1299
    -0,0375 (-0,61%)
     

Negócio de mídia social de Trump busca levantar US$1 bi, dizem fontes

·2 min de leitura
Donald Trump, ex-presidente dos Estados Unidos

Por Krystal Hu

Dec 1 (Reuters) - O novo empreendimento de mídia social do ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump está tentando levantar até 1 bilhão de dólares com a venda de ações, disseram duas pessoas familiarizadas com o assunto.

O Trump Media & Technology Group, que ainda não lançou o aplicativo de mídia social que diz desenvolver, deve receber 293 milhões de dólares se seu negócio, a ser listado em Nova York, por meio de uma fusão com a firma de cheque em branco Digital World Acquisition for concluído.

O negócio avaliou a Trump Media em 875 milhões de dólares, incluindo dívidas. A Trump Media está buscando levantar mais 1 bilhão, o que lhe daria uma avaliação de cerca de 3 bilhões, disseram as fontes.

As ações da Digital World foram avaliadas em 10 dólares cada no negócio com a Trump Media. A Trump Media está procurando garantir um investimento privado em ações listadas (Pipe) que avaliaria as ações da Digital World mais perto de seu preço recente, disseram as fontes. O papel chegou a atingir 44,35 dólares nesta quarta-feira.

Pesando sobre o apelo do negócio está a relutância de muitos investidores em se associarem com Trump após ele ter sido banido das principais plataformas de mídia social por encorajar seus apoiadores a participarem do ataque de 6 de janeiro ao Capitólio dos Estados Unidos. A ofensiva foi baseada em alegações infundadas de fraude generalizada nas eleições presidenciais do ano passado.

Alguns fundos de hedge que apoiaram o lançamento do Digital World, incluindo Saba Capital Management e Lighthouse Investment Partners, disseram que venderam suas ações para se distanciarem do negócio com Trump.

O negócio também enfrenta riscos regulatórios. A senadora Elizabeth Warren pediu à comissão de valores Mobiliários dos EUA no mês passado, para investigar a planejada fusão por potenciais violações das leis de valores mobiliários em torno da divulgação. A SEC se recusou a comentar se planeja alguma ação.

Trump esteve pessoalmente envolvido no contato com potencias investidores, pedindo a alguns deles que se comprometam com o Pipe de mais de 100 milhões de dólares, disse um das fontes.

Trump disse que está lançando seu próprio aplicativo de mídia social para se levantar contra as empresas que o barraram de suas plataformas. Ele tinha 89 milhões de seguidores no Twitter, 33 milhões no Facebook e 24,5 milhões no Instagram na época em que foi bloqueado.

Desde que Trump terminou seu mandato, ele deu sinais de que poderia concorrer à presidência pela terceira vez em 2024.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos