Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.976,70
    -2.854,45 (-2,55%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.668,64
    -310,37 (-0,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,28
    -1,66 (-2,13%)
     
  • OURO

    1.754,00
    +8,40 (+0,48%)
     
  • BTC-USD

    16.512,19
    -2,76 (-0,02%)
     
  • CMC Crypto 200

    386,97
    +4,32 (+1,13%)
     
  • S&P500

    4.026,12
    -1,14 (-0,03%)
     
  • DOW JONES

    34.347,03
    +152,97 (+0,45%)
     
  • FTSE

    7.486,67
    +20,07 (+0,27%)
     
  • HANG SENG

    17.573,58
    -87,32 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    28.283,03
    -100,06 (-0,35%)
     
  • NASDAQ

    11.782,80
    -80,00 (-0,67%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,6244
    +0,0991 (+1,79%)
     

Nebulosa de Orion e estrelas em formação aparecem em nova foto da NASA

A NASA publicou uma nova foto da região que abriga a Nebulosa de Orion. Produzida a partir dos dados dos telescópios espaciais Spitzer, WISE e Herschel, a imagem revela a grande nuvem de gás e poeira existente por lá, esculpida pela radiação emitida por estrelas gigantes capazes de emitir um milhão de vez mais luz que nosso Sol.

A nebulosa fica na constelação de Orion, o Caçador, e contém duas grandes cavernas que dominam sua estrutura. Elas foram “escavadas” por estrelas gigantes, cuja radiação separa os grãos de poeira e, assim, forma aberturas em sua estrutura. Enquanto isso, a poeira restante é levada por ventos estelares.

Veja a foto:

Nebulosa de Orion observada na luz infravermelha, que revela estrelas em formação (Imagem: Reprodução/ESA/NASA/JPL-Caltech)
Nebulosa de Orion observada na luz infravermelha, que revela estrelas em formação (Imagem: Reprodução/ESA/NASA/JPL-Caltech)

A imagem foi capturada com dados da luz infravermelha, formada por comprimentos de onda que não podem ser detectados pelos olhos humanos. Na foto, as áreas em azul indicam poeira aquecida, enquanto o vermelho mostra poeira fria, com temperaturas de aproximadamente -260 ºC.

Os dados da luz infravermelha foram capturados pelo já aposentado telescópio Spizer e o Wide-Field Infrared Survey Explorer (WISE), atualmente chamado “NEOWISE”. Já as observações da luz em comprimentos de onda do infravermelho afastado e microondas, realizada pelo telescópio Herschel, aparecem em vermelho e verde.

Nos arredores das “cavernas”, há áreas esverdeadas, que indicam poeira um pouco mais fria. Entre as duas cavidades, estão filamentos alaranjados, que mostram onde a poeira se condensa para, futuramente, formar novas estrelas. Com o tempo, eles podem produzir estrelas gigantes, capazes de alterar novamente o formato da região.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: