Mercado abrirá em 1 h 28 min
  • BOVESPA

    120.700,67
    +405,99 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.514,10
    +184,26 (+0,38%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,45
    -0,01 (-0,02%)
     
  • OURO

    1.777,00
    +10,20 (+0,58%)
     
  • BTC-USD

    60.682,18
    -1.898,62 (-3,03%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.346,68
    -34,27 (-2,48%)
     
  • S&P500

    4.170,42
    +45,76 (+1,11%)
     
  • DOW JONES

    34.035,99
    +305,10 (+0,90%)
     
  • FTSE

    7.017,63
    +34,13 (+0,49%)
     
  • HANG SENG

    28.969,71
    +176,57 (+0,61%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,68 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    14.019,75
    +5,75 (+0,04%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7272
    +0,0061 (+0,09%)
     

Navegador do Alibaba é excluído de lojas de aplicativos Android na China

·2 minuto de leitura

PEQUIM (Reuters) - Lojas de aplicativos chinesas removeram o UC Browser do Alibaba Group para celulares, após ele ser criticado no programa anual de direitos do consumidor da televisão estatal chinesa por incluir anúncios médicos de empresas não qualificadas.

A China tem apertado a regulamentação de seu vasto setor de internet, com o império de comércio eletrônico Alibaba, fundado pelo bilionário Jack Ma, sendo um dos principais alvos.

Não foi possível fazer o download do UC Browser nas lojas de aplicativos Android operadas pelos principais fabricantes de telefones chineses Huawei, Xiaomi e Vivo na noite de terça-feira. Ele ainda estava disponível na loja de aplicativos chinesa da Apple.

A navegador foi um entre vários aplicativos chineses e estrangeiros que foram alvo de críticas no popular programa "315" do horário nobre da TV Central da China, na noite de segunda-feira.

A UC, que afirma ter mais de 400 milhões de usuários ativos por mês em todo o mundo, apresentou um pedido de desculpas após o programa e disse que havia iniciado uma investigação e medidas reparadoras.

Na terça-feira, a Alibaba se referiu à declaração da UC em resposta a um pedido de comentário sobre a remoção do navegador pelas lojas de aplicativos.

"Vamos fortalecer ainda mais o mecanismo de supervisão e o senso de responsabilidade da plataforma e fornecer aos usuários serviços de informação de alta qualidade com padrões mais rigorosos. Pedimos aos usuários que continuem a nos supervisionar", disse a UC na segunda-feira.

A Huawei não respondeu imediatamente aos pedidos de comentários. Xiaomi e Vivo não quiseram comentar.

As plataformas da internet foram objeto de discussão em uma reunião na segunda-feira liderada pelo presidente Xi Jinping com chefes do Partido Comunista responsáveis por assuntos financeiros e econômicos.

(Reportagem de Yingzhi Yang, Sophie Yu e Tony Munroe; reportagem adicional de Josh Horwitz)