Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.925,60
    -1.560,41 (-1,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.457,55
    -227,31 (-0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,23
    +0,01 (+0,01%)
     
  • OURO

    1.814,80
    -0,40 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    16.976,31
    -200,63 (-1,17%)
     
  • CMC Crypto 200

    402,49
    -3,66 (-0,90%)
     
  • S&P500

    4.076,57
    -3,54 (-0,09%)
     
  • DOW JONES

    34.395,01
    -194,76 (-0,56%)
     
  • FTSE

    7.558,49
    -14,56 (-0,19%)
     
  • HANG SENG

    18.736,44
    +139,21 (+0,75%)
     
  • NIKKEI

    27.791,20
    -434,88 (-1,54%)
     
  • NASDAQ

    12.012,75
    -50,00 (-0,41%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4597
    -0,0057 (-0,10%)
     

Natura&Co vê manutenção de pressão sobre margens à frente, diz diretor

Logotipo da Natura

Por Andre Romani

SÃO PAULO (Reuters) - A fabricante de cosméticos Natura&Co espera que a pressão sobre as margens de lucro de unidades como Avon International e The Body Shop continuem, diante de impactos cambiais, de commodities, tarifas de energia e despesas de pessoal, disse um diretor da empresa nesta quinta-feira.

A Natura&Co, que opera as marcas Natura, Avon International, Aesop e The Body Shop, divulgou na véspera prejuízo líquido de 560 milhões de reais, a terceira perda trimestral em sequência, pressionada pelos custos e efeitos de inflação. A empresa ainda descontinuou projeções de desempenho à medida que aprofunda os esforços de reestruturação.

As ações da companhia caíam cerca de 4% nesta quinta-feira, enquanto o Ibovespa recuava 2,6%.

Guilherme Strano Castellan, diretor financeiro e de relações com investidores, destacou que a dinâmica de margens de lucro da companhia foi diferente entre suas unidades, com a Aesop não enxergando pressão e a Avon International sendo uma das mais atingidas.

"Nós esperamos que a margem bruta permaneça sob pressão à frente", disse ele sobre as margens da Avon, destacando que o principal impacto veio do câmbio. A margem bruta da Avon cedeu de 61,3% para 59,6% em um ano, enquanto a do grupo Natura&Co caiu a 64,1%, de 65,3% no terceiro trimestre de 2021.

Castellan disse que a The Body Shop também deve "continuar a ver pressão nas margens no curto prazo", ainda que possivelmente consiga fazer maior repasse da inflação. A margem bruta da unidade, uma marca inglesa de cosméticos e perfumes, reduziu 1,4 ponto percentual, a 76,3%.

A Natura&Co vem sofrendo com impactos da guerra na Ucrânia, especialmente em suas operações na Europa, e dos patamares globais de juros e inflação, que diminuem a demanda.

Ao mesmo tempo, a empresa começou uma reestruturação que inclui revisão de sua presença geográfica, integração de operações na América Latina e estudo de potencial cisão ou oferta pública inicial de ações (IPO) nos Estados Unidos da marca australiana Aesop.

Fábio Barbosa, presidente da companhia desde junho, disse que além de rever a presença de suas unidades em cada país, a Natura&Co também avalia o formato em que vai operar nas regiões.

No comunicado de resultados, a Natura&Co disse que a Avon International saiu da Albânia e iniciou parcerias estratégicas na Índia, Arábia Saudita e Quirguistão.