Mercado fechado
  • BOVESPA

    109.979,18
    -1.944,75 (-1,74%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.013,76
    -220,61 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    77,59
    -2,39 (-2,99%)
     
  • OURO

    1.779,40
    -30,20 (-1,67%)
     
  • BTC-USD

    17.064,17
    -19,00 (-0,11%)
     
  • CMC Crypto 200

    403,16
    -8,06 (-1,96%)
     
  • S&P500

    3.992,92
    -78,78 (-1,93%)
     
  • DOW JONES

    33.894,47
    -535,41 (-1,56%)
     
  • FTSE

    7.567,54
    +11,31 (+0,15%)
     
  • HANG SENG

    19.518,29
    +842,94 (+4,51%)
     
  • NIKKEI

    27.820,40
    +42,50 (+0,15%)
     
  • NASDAQ

    11.793,50
    -216,75 (-1,80%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5406
    +0,0466 (+0,85%)
     

Natura&Co tem novo prejuízo no 3° tri e retira projeções

SÃO PAULO (Reuters) - A fabricante de cosméticos Natura&Co divulgou na noite de quarta-feira seu terceiro prejuízo trimestral consecutivo e descontinuou projeções à medida que aprofunda os esforços de reestruturação.

Atingida duramente pela queda global da demanda diante da alta da inflação, a proprietária das marcas Natura, Avon International, Aesop e Body Shop registrou um prejuízo líquido atribuído aos controladores de 559,8 milhões de reais no trimestre encerrado em setembro.

No mesmo período do ano passado, a Natura&Co teve lucro de 272,9 milhões de reais.

A receita líquida da empresa caiu 6% na base anual, para 9 bilhões de reais, mas cresceu 2,2% em moeda constante. Ainda assim, mesmo em moeda constante, as vendas da Body Shop caíram 20% e as da Avon International 8%.

A Natura&Co, que anunciou Fábio Barbosa como seu novo presidente-executivo em junho, vem revisando seu modelo de negócios e sua presença em mercados de baixo desempenho. A companhia também sinalizou uma possível oferta pública inicial de ações (IPO) da Aesop nos Estados Unidos.

Barbosa disse em comunicado que os resultados "estão em linha" com as expectativas divulgadas ao mercado no trimestre anterior e a reorganização "teve bom progresso".

As ações da empresa caíram 48% no acumulado do ano.

(Por Carolina Pulice e Peter Frontini;)