Mercado fechará em 6 h 52 min

Nascidas na Vila Kennedy, amigas dão cestas básicas a famílias da comunidade

Natália Boere
·3 minutos de leitura
Ajuda. Luana com criança da Vila Kennedy atendida pela iniciativa

WhatsApp Image 2020-08-19 at 17.02.30.jpeg

Ajuda. Luana com criança da Vila Kennedy atendida pela iniciativa

RIO - Nascidas e criadas na comunidade da Vila Kennedy, na Zona Oeste, e cientes de que foram privilegiadas por seus destinos terem sido diferentes dos de muita gente que mora lá, cinco amigas resolveram criar um projeto para auxiliar na formação de jovens e adultos da região. Assim, as jornalistas Luana Dias e Debora Pio, a professora Isabel Navega, a auxiliar administrativa Camila Aguiar e a estudante de Serviço Social Isabele Aguiar fundaram, em 2012, a Casa de Aya. A iniciativa, que a princípio oferecia aulas de capoeira, artes, cinema e literatura na casa onde Luana morava, passou a buscar meios de sobrevivência para famílias na pandemia.

— O desemprego aumentou absurdamente, percebemos as pessoas passando ainda mais necessidade. Nós nos articulamos e conseguimos reunir meios para ajudar 50 famílias com cestas básicas e itens de limpeza — conta Luana, moradora de Santa Teresa.

Em junho, o grupo criou uma campanha de financiamento coletivo para aumentar o alcance da iniciativa. A princípio, suas integrantes arrecadaram R$ 18 mil e conseguiram garantir cestas básicas para cem famílias por três meses. Quando a verba chegou a R$ 26 mil, foi possível ampliar a doação para 150 famílias. E este mês a Casa de Aya incluiu em cada cesta oito quilos de alimentos orgânicos.

— A primeira coisa que percebemos é que a cesta básica é básica mesmo.As famílias têm em média cinco pessoas, e a comida que doávamos mal dava para uma semana. Com os orgânicos, conseguimos oferecer uma alimentação mais digna e saudável —destaca Luana, explicando que o nome do projeto vem de um símbolo adinkra (dos povos africanos akan) que significa resiliência.

A campanha termina no próximo dia 31, e as meninas agora lutam para alcançar R$ 30 mil em arrecadações e assim garantir, além das cestas básicas, os alimentos orgânicos para as 150 famílias no mês de setembro.

— Estávamos agoniadas com a situação de desigualdade em que vivemos. Estamos felizes por poder proporcionar essa ajuda à comunidade onde crescemos neste momento de pandemia e de descrença de que algo vá melhorar — afirma Luana.

Uma das famílias beneficiadas é a de Amanda Mendes, que mora com as filhas Alanna, de 12 anos, e Annaluh, de 11 anos. A auxiliar de serviços gerais conta que, com a pandemia, seu salário atrasou, e ela ficou com muita dificuldade para pagar as contas da casa.

— Dependo do meu emprego para botar comida dentro de casa. E com a pandemia, as crianças não estão indo para a escola, onde elas faziam duas refeições, então a situação apertou muito. As cestas básicas da Casa de Aya fizeram uma diferença muito grande. Chegaram no melhor momento. Foram uma luz no fim do túnel quando não tínhamos mais esperança — afirma Amanda, de 33 anos.

Doações podem ser feitas na conta corrente 34416488-2, da agência 0001 do Nubank, em nome de Luana A.S.Dias (CPF 107.947.567-27). A prestação de contas está sendo realizada através do perfil da Casa de Aya no Intagram (@casadeayavk).

SIGA O GLOBO-BAIRROS NO TWITTER (OGlobo_Bairros)