Mercado fechará em 2 h 51 min
  • BOVESPA

    113.331,09
    +1.058,09 (+0,94%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.572,76
    +51,33 (+0,09%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,94
    +1,04 (+1,34%)
     
  • OURO

    1.944,20
    +5,00 (+0,26%)
     
  • BTC-USD

    23.132,27
    -45,26 (-0,20%)
     
  • CMC Crypto 200

    524,93
    +6,13 (+1,18%)
     
  • S&P500

    4.042,73
    +24,96 (+0,62%)
     
  • DOW JONES

    33.799,72
    +82,63 (+0,25%)
     
  • FTSE

    7.774,20
    -10,67 (-0,14%)
     
  • HANG SENG

    21.842,33
    -227,40 (-1,03%)
     
  • NIKKEI

    27.327,11
    -106,29 (-0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.071,25
    +103,25 (+0,86%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5300
    -0,0170 (-0,31%)
     

NASA recebe orçamento para financiar novo módulo de pouso lunar em 2023

A NASA terá verba necessária em 2023 para financiar o desenvolvimento de um novo módulo de pouso tripulado para as missões do programa Artemis, graças ao orçamento de US$ 25,4 bilhões para o próximo ano fiscal, aprovado pelo Congresso estadunidense. Deste total, US$ 7,5 bilhões serão destinados à atual empreitada lunar da agência espacial.

Com um orçamento 5% maior que o obtido em 2022 (ainda que inferior ao solicitado inicialmente), a NASA dará continuidade ao desafio proposto às empresas privadas para desenvolver um segundo lander lunar. O primeiro é o Starship, da SpaceX, empresa já escolhida para proporcionar o primeiro pouso de astronautas na superfície da Lua pelo programa Artemis — o que deve acontecer em 2025 com a missão Artemis III.

Entre as empresas inscritas no programa de desenvolvimento de sistemas de pouso humano da NASA, estão grandes nomes como Blue Origin, Lockheed Martins e Boeing, além de Astrobotic, Northrop Grumman e outras. Elas devem, portanto, seguir trabalhando em seus projetos de um segundo módulo de pouso capaz de levar os astronautas da órbita à superfície da Lua. O projeto escolhido pela NASA deverá fazer parte da Artemis IV, a segunda missão do programa a levar astronautas à superfície lunar, mais para o final da década.

Conceito de missão lunar (Imagem: Reprodução/NASA)
Conceito de missão lunar (Imagem: Reprodução/NASA)

Infelizmente, a mesma prioridade não foi dada a algumas pesquisas científicas, que juntas contarão com US$ 7,795 bilhões — quase US$ 200 milhões abaixo do pedido. A astrofísica, as ciências da Terra, as ciências biológicas e as físicas receberão menos do que se esperava.

Por outro lado, o projeto NEO Surveyor teve orçamento de US$ 90 milhões aprovado, sendo que o valor solicitado pela NASA foi de US$ 40 milhões. Agora, o telescópio espacial “caçador” de asteroides passará para a fase de construção. Outras pesquisas científicas, como a ciência planetária e a heliofísica, também receberam um pouco mais do que o solicitado. O relatório também inclui US$ 281,4 milhões para uma plataforma de lançamentos atrasada chamada Mobile Launcher 2.

Foram ainda aprovados US$ 224,3 milhões para o Commercial Low Earth Orbit (LEO) Destinations, um programa da NASA para o desenvolvimento de estações espaciais comerciais que devem substituir a Estação Espacial Internacional (ISS). Por fim, o Congresso aprovou US$ 10 milhões para uma futura competição entre empresas interessadas em desenvolver um veículo espacial capaz de tirar a ISS da órbita, quando for aposentada dentro de alguns anos.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: