Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.380,49
    -948,51 (-0,80%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.026,10
    +342,55 (+0,77%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,35
    +0,08 (+0,15%)
     
  • OURO

    1.857,30
    +1,10 (+0,06%)
     
  • BTC-USD

    33.909,50
    +462,26 (+1,38%)
     
  • CMC Crypto 200

    683,04
    +6,14 (+0,91%)
     
  • S&P500

    3.845,61
    +4,14 (+0,11%)
     
  • DOW JONES

    30.907,42
    -89,56 (-0,29%)
     
  • FTSE

    6.638,85
    -56,22 (-0,84%)
     
  • HANG SENG

    30.159,01
    +711,16 (+2,41%)
     
  • NIKKEI

    28.822,29
    +190,84 (+0,67%)
     
  • NASDAQ

    13.406,00
    +44,50 (+0,33%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6386
    -0,0134 (-0,20%)
     

NASA propõe acordo para que cosmonautas voem à ISS com a nave Crew Dragon

Daniele Cavalcante
·2 minuto de leitura

A NASA já agendou os próximos dois lançamentos da nave Crew Dragon, da SpaceX, para levar seus astronautas à Estação Espacial Internacional (ISS) em 2021, e pode ser que um deles inclua pelo menos um cosmonauta a bordo. A agência espacial estadunidense enviou a proposta de colaboração mútua ao Departamento de Estado dos EUA para revisão e aprovação e, em seguida, um procedimento semelhante ocorrerá no governo russo.

Caso ambos países aprovem a ideia, cosmonautas poderão voar em espaçonaves norte-americanas — que também inclui a Starliner, da Boing, ainda em desenvolvimento — e os astronautas da NASA poderão voltar a viajar em naves Soyuz, da Agência Espacial Federal Russa (Roscosmos). Essa colaboração garante que a ISS tenha sempre tripulantes das duas nações, o que é fundamental para operação dos módulos estadunidenses e russos.

Lançamento da Crew-1 no foguete Falcon 9 (Imagem: Reprodução/NASA)
Lançamento da Crew-1 no foguete Falcon 9 (Imagem: Reprodução/NASA)

O acordo também daria o direito à NASA de voltar a ocupar assentos na Soyuz sem ter que pagar por isso. Durante a última década, desde o encerramento do programa do ônibus espacial, a NASA utilizava as naves russas para enviar seus astronautas ao espaço, mas isso custava caro. Em média, a NASA pagou à Roscosmos US$ 55,4 milhões por assento, sendo que, desde 2017, o preço dos russos subiu para uma média de US$ 79,7 milhões.

Por outro lado, a Roscosmos já declarou que não voaria em uma nave americana até que houvesse voos o suficiente para comprovar a eficácia e segurança do veículo. A NASA já realizou dois lançamentos tripulados com a Crew Dragon, que foi oficialmente certificada após um lançamento de testes de maio deste ano. A próxima missão será a Crew-2, programada para março de 2021. Mas somente na Crew-3 um dos astronautas poderá ser russo.

Se tudo der certo, astronautas de parceiros internacionais, incluindo o Japão, países da Europa e o Canadá, também poderão ocupar um dos três lugares na Soyuz no final de 2021. Atualmente, a ISS tem sete tripulantes a bordo, sendo que três foram enviados pela nave russa e quatro pela Crew Dragon.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: