Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.439,37
    -2.354,91 (-2,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.307,71
    -884,62 (-1,69%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,96
    -0,65 (-0,90%)
     
  • OURO

    1.753,90
    -2,80 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    47.192,98
    -411,24 (-0,86%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.193,48
    -32,05 (-2,62%)
     
  • S&P500

    4.432,99
    -40,76 (-0,91%)
     
  • DOW JONES

    34.584,88
    -166,44 (-0,48%)
     
  • FTSE

    6.963,64
    -63,84 (-0,91%)
     
  • HANG SENG

    24.920,76
    +252,91 (+1,03%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,71 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.530,00
    +12,25 (+0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1994
    +0,0146 (+0,24%)
     

Nasa paga centavos por tecnologia de mineração da Lua; entenda

·2 minuto de leitura
Nasa paga centavos por tecnologia de mineração da Lua; entenda
Nasa paga centavos por tecnologia de mineração da Lua; entenda

Toda a fortuna de 10 centavos. Esse foi o valor pago pela agência espacial Nasa à startup Lunar Outpost, durante apresentação conjunta das duas instituições na edição de 2021 do Simpósio Espacial. Com esse valor incrivelmente alto e exagerado, a Nasa cumpre seu contrato com a empresa para o desenvolvimento de tecnologia de exploração da Lua.

Apesar do tom jocoso, a informação é real: em dezembro de 2020, a Nasa havia escolhido a Lunar Outpost para desenvolver uma tecnologia de separação de poeira lunar (ou “regolito”) durante a mineração de recursos no Pólo Sul da Lua, onde, acredita-se, a presença de água e gelo seja abundante.

Leia também

Foto mostra Bill Nelson, chefe da Nasa, entregando um cheque de dez centavos a Justin Cyrus, CEO da Lunar Outpost
O chefe de administração da Nasa, Bill Nelson (em pé, à direita), entregando um cheque de 10 centavos para Justin Cyrus, CEO da Lunar Outpost. Imagem: Space Symposium/Divulgação

Segundo os termos do contrato, a Lunar Outpost havia feito uma proposta simbólica de US$ 1 (R$ 5,18), do qual 10% desse valor voltaria à empresa. “Nós tínhamos termos contratuais com eles, para quando eles produzissem seu primeiro elemento. Nós lhes daríamos 10% do valor de sua proposta contratada. Estou feliz, então, de entregar esse cheque de 10% de sua proposta. Justin, aqui estão 10 centavos”, disse o chefe de administração da Nasa, Bill Nelson, a Justin Cyrus, CEO da Lunar Outpost.

Basicamente, a Lunar Outpost criou um sensor de ar que atendia à necessidade da Nasa de conter materiais potencialmente danosos ou nocivos. A poeira lunar é conhecida por ser um dos materiais mais problemáticos da exploração espacial: não só ela consegue entrar – e destruir – equipamentos inteiros (algo péssimo de se acontecer quando você está no espaço), como ela também faz muito mal aos humanos, podendo matar até 90% das células pulmonares e cerebrais expostas à ela (algo também não muito legal de acontecer em qualquer lugar, menos ainda no espaço).

Como a simples mineração do solo da Lua traria tudo junto – regolito e qualquer outro material escavado, incluindo água ou gelo -, é importante haver um sistema que faça essa separação a fim de evitar fins mais problemáticos. Foi isso que a Lunar Outpost construiu.

Agora, de acordo com Nelson, a startup baseada no Colorado “vai coletar uma pequena quantidade de poeira lunar, conferir a coleta e transferir a propriedade do regolito. Recursos espaciais têm um tremendo papel no programa Artemis da Nasa e no futuro da exploração espacial. A habilidade de extrair e usar recursos materiais vai assegurar que as operações do Artemis possam ser conduzidas de forma segura e sustentável, em nome da exploração humana”.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos