Mercado fechará em 1 h 48 min
  • BOVESPA

    104.811,03
    +344,79 (+0,33%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.048,42
    +121,04 (+0,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    67,13
    +0,63 (+0,95%)
     
  • OURO

    1.781,40
    +18,70 (+1,06%)
     
  • BTC-USD

    54.972,89
    -1.522,33 (-2,69%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.392,04
    -49,72 (-3,45%)
     
  • S&P500

    4.515,96
    -61,14 (-1,34%)
     
  • DOW JONES

    34.434,13
    -205,66 (-0,59%)
     
  • FTSE

    7.122,32
    -6,89 (-0,10%)
     
  • HANG SENG

    23.766,69
    -22,24 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    28.029,57
    +276,20 (+1,00%)
     
  • NASDAQ

    15.571,25
    -417,25 (-2,61%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4129
    +0,0327 (+0,51%)
     

Nasa lança missão Lucy, dedicada a estudar asteroides ‘companheiros’ de Júpiter

·2 min de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A Nasa lançou neste sábado (16) a sonda Lucy, sua primeira missão robótica dedicada a explorar os asteroides troianos, que acompanham o gigante Júpiter em sua órbita ao redor do Sol.

O lançamento partiu no horário marcado, às 6h34 (de Brasília), em Cabo Canaveral, Flórida. A espaçonave foi levada ao espaço por um foguete Atlas V, iniciando uma jornada que deve durar pelo menos 12 anos. Não é fácil chegar aos arredores da órbita joviana e mais difícil ainda chegar a uma velocidade suficientemente moderada para que a espaçonave possa explorar individualmente vários asteroides, um após o outro.

Para isso, a sonda fará três sobrevoos da própria Terra, em 2022, 2024 e 2030. Após o segundo deles, a Lucy passará, em 2025, por um objeto do cinturão de asteroides que atende pelo peculiar nome Donaldjohanson. É o nome do paleoantropólogo que descobriu o fóssil que dá nome à missão, o australopiteco de 3,5 milhões de anos que ajudou a reconstruir a história da evolução humana (ao estudar os asteroides troianos, a missão espera revelar os segredos da formação do Sistema Solar, tendo impacto similar ao de sua homônima fóssil).

Após passar pelo asteroide Donaldjohanson, a sonda chegará ao primeiro grupo de troianos a serem estudados, num dos cinco pontos de Lagrange que existem em cada sistema gravitacional de dois corpos.

Essas regiões, moldadas pela gravidade combinada de Júpiter e do Sol, servem como uma espécie de estacionamento natural para espaçonaves e outros pequenos objetos, como asteroides. Ao longo da missão, a Lucy visitará os pontos L4 e L5. O L4 fica na órbita de Júpiter, mas 60 graus à frente dele. Lá ela visitará cinto objetos: Eurybates e seu satélite Queta, Polymele, Leucus e Orus. Tudo isso entre 2027 e 2028.

Depois da visita ao L4, a sonda volta a fazer um sobrevoo da Terra e então ruma novamente para a órbita de Júpiter, mas desta vez para o L5, onde visitará pelo menos dois objetos: a dupla Patroclus e Menoetius, em 2033.

Ou seja, serão ao todo 7 asteroides troianos visitados, além do encontro com o Donaljohanson no cinturão de asteroides.

Para operar com sucesso em uma região tão longínqua do Sistema Solar, a sonda conta com dois painéis solares superleves e enormes, cada um formando um círculo com mais de 7 metros de diâmetro.

A missão foi selecionada em 2017 como parte do programa Discovery, em que a Nasa seleciona missões de baixo custo propostas por cientistas com objetivos bem definidos.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos