Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.440,19
    -1.737,36 (-1,52%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.694,20
    -469,81 (-0,85%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,45
    -1,56 (-1,93%)
     
  • OURO

    1.928,20
    -1,80 (-0,09%)
     
  • BTC-USD

    23.156,95
    +142,82 (+0,62%)
     
  • CMC Crypto 200

    525,96
    +8,95 (+1,73%)
     
  • S&P500

    4.070,56
    +10,13 (+0,25%)
     
  • DOW JONES

    33.978,08
    +28,67 (+0,08%)
     
  • FTSE

    7.765,15
    +4,04 (+0,05%)
     
  • HANG SENG

    22.688,90
    +122,12 (+0,54%)
     
  • NIKKEI

    27.382,56
    +19,81 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    12.216,00
    +109,25 (+0,90%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5465
    +0,0268 (+0,49%)
     

Nasa faz questão que baratas sejam devolvidas à agência

Nasa alimentou o inseto com poeira lunar para testar os efeitos do solo lunar em seres vivos
Nasa alimentou o inseto com poeira lunar para testar os efeitos do solo lunar em seres vivos
  • O inseto teria sido alimentado com poeira lunar para testar os efeitos do solo lunar em seres vivos;

  • Item estava programado para ir a leilão pela Remarkable Rarities;

  • Nasa pede que empresa trabalhe em conjunto com a agência para devolução dos materiais.

Um leilão que oferecia poeira lunar retirada das fezes de baratas mortas, além da carcaça dessas e outros aparelhos lunares foi encerrado nesse último dia 23 sem lances, após a agência espacial Nasa alegar a propriedade dos materiais.

O leilão, que foi realizado pela empresa Remarkable Rarities (RR) Auction, de New Hampshire, nos Estados Unidos, chamou atenção ao redor do mundo por conta de seus itens estranhos e seu preço, já que os leiloeiros esperava conseguir entre R$ 50 mil a R$ 2 milhões.

Tudo começou quando, após a missão espacial Apollo 11, os astronautas trouxeram consigo amostras de poeira lunar para estudo dos cientistas e engenheiros da Nasa. Um dos testes realizados foi a exposição desse material a seres de vida terrestres, como peixes, ratos e baratas, que foram alimentadas com o pó, que não apresentaram nenhuma reação fora do normal.

Três anos após a conclusão de seus estudos, a entomologista Marion Brooks-Wallace guardou de lembrança a carcaça desses insetos, além da poeira lunar consumida e depois evacuada por eles. Após sua morte, sua filha vendeu os itens para um comprador na Califórnia, que o colocou a leilão neste ano, onde esperava conseguir até US$ 400 mil, ou cerca de R$ 2 milhões.

Entretanto, ao saber do evento, a Nasa entrou em contato com os realizadores via carta. “Todas as amostras da Apollo, conforme estipulado nesta coleção de itens, pertencem à NASA e nenhuma pessoa, universidade ou outra entidade recebeu permissão para mantê-las após análise, destruição ou outro uso para qualquer finalidade, especialmente para venda ou exibição”, afirmou a carta enviada no dia 5 de junho.

Em segunda carta, a agência espacial pediu à RR Auction que trabalhassem em conjunto para a devolução dos itens “Já trabalhamos com a NASA antes e sempre cooperamos com o governo dos EUA quando eles reivindicam itens”, disse Mark Zaid, advogado da Remarkable Rarities, ao jornal Associated Press. “No final do dia, queremos agir de forma adequada e legal.”