Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.282,67
    -781,33 (-0,68%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.105,71
    -358,59 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,95
    -0,03 (-0,04%)
     
  • OURO

    1.750,60
    -1,10 (-0,06%)
     
  • BTC-USD

    43.465,61
    +897,09 (+2,11%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.067,20
    -35,86 (-3,25%)
     
  • S&P500

    4.455,48
    +6,50 (+0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.798,00
    +33,20 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.051,48
    -26,87 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    24.192,16
    -318,84 (-1,30%)
     
  • NIKKEI

    30.248,81
    +609,41 (+2,06%)
     
  • NASDAQ

    15.319,00
    +0,25 (+0,00%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2547
    +0,0297 (+0,48%)
     

NASA espera que estações comerciais assumam o lugar da ISS após 2030

·1 minuto de leitura

Nesta quarta-feira (25), durante o 36º Simpósio Espacial, nos EUA, o administrador da NASA, Bill Nelson, disse que a agência norte-americana espera que, quando a Estação Espacial Internacional (ISS) for aposentada, outras estações comerciais assumam o lugar dela. Embora a ISS esteja prevista para ser desativada entre 2024 e 2028, Nelson acredita que ela dure até 2030.

Enquanto a ISS se aproxima de seu inevitável fim, a China já desenvolve a sua nova estação espacial, a Tiangong-3, que já tem mais de mil experimentos aprovados. No entanto, Nelson acredita que este seja mais um movimento de competição do que colaboração. "Infelizmente, acredito que estamos em uma corrida espacial com a China", acrescentou o administrador durante o simpósio.

Bill Nelson durante sua fala no 36º Simpósio Espacial (Imagem: Reprodução/NASA/Bill Ingalls)
Bill Nelson durante sua fala no 36º Simpósio Espacial (Imagem: Reprodução/NASA/Bill Ingalls)

Em contraponto, Nelson citou as várias parcerias realizadas entre os EUA e Rússia, apesar de, em muitos momentos, serem adversários militares. “Eu gostaria de tentar fazer isso. A China é muito reservada, e parte do programa espacial civil é que você precisa ser transparente”, ressaltou em seguida. Vale destacar que, recentemente, as agências russa e norte-americana enfrentaram um problema quando o módulo russo Nauka provocou uma mudança na posição da ISS.

Essa tensão levantou alguns questionamentos sobre o real estado do relacionamento entre as duas agências. Talvez esta situação se complique um pouco mais por conta de a Rússia e a China estarem desenvolvendo uma base lunar em parceria. Apesar disso, o administrador da NASA segue otimista quando ao futuro das colaborações entre os EUA e a Rússia. “Inimigos, mesmo em meio à Guerra Fria, que podem se unir e encontrar um denominador comum no espaço civil", acrescentou Nelson.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos