Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.523,47
    -1.617,17 (-1,47%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.049,05
    +174,14 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,23
    -2,65 (-3,49%)
     
  • OURO

    1.865,90
    -50,40 (-2,63%)
     
  • BTC-USD

    23.325,17
    -222,32 (-0,94%)
     
  • CMC Crypto 200

    535,42
    -1,43 (-0,27%)
     
  • S&P500

    4.136,48
    -43,28 (-1,04%)
     
  • DOW JONES

    33.926,01
    -127,93 (-0,38%)
     
  • FTSE

    7.901,80
    +81,64 (+1,04%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.616,50
    -230,25 (-1,79%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5385
    +0,0488 (+0,89%)
     

Nasa e Boeing se unem para desenvolver aviões com menos emissões

A agência espacial americana Nasa e a gigante da aviação Boeing irão desenvolver uma aeronave comercial de última geração com menor emissão de carbono.

A Nasa, cujo escopo também inclui pesquisa aeronáutica, investirá US$ 425 milhões ao longo de sete anos no projeto "Demonstrador de Voo Sustentável" (SFD, na sigla em inglês), enquanto a Boeing e seus parceiros desembolsarão cerca de US$ 725 milhões.

O objetivo é produzir futuros aviões comerciais que sejam "mais eficientes no consumo de combustível, com benefícios para o meio ambiente, a indústria da aviação comercial e passageiros em todo o mundo", disse o chefe da Nasa, Bill Nelson.

"Se tivermos sucesso, é possível que vejamos essas tecnologias em aeronaves (...) na década de 2030", afirmou Nelson em um comunicado na quarta-feira.

O acordo prevê que a Nasa e a Boeing construam, testem e façam voar uma aeronave de corredor único em escala real.

"As tecnologias demonstradas e testadas no programa SFD informarão projetos futuros e podem levar a grandes avanços aerodinâmicos e melhorias na eficiência de combustível", indicou a Boeing.

Os engenheiros tentarão alcançar um consumo de combustível e reduções de emissão de até 30% em relação às aeronaves de corredor único mais eficientes hoje, de acordo com a Nasa.

As aeronaves de corredor único, explicou a agência, são as mais comuns nas frotas das companhias aéreas e representam quase metade das emissões da aviação mundial.

A Boeing e a Nasa planejam testar uma asa inovadora, conhecida como asa transônica reforçada, que reduz a resistência aerodinâmica e o consumo de combustível. Finas e muito longas, elas são montadas na parte superior da fuselagem e estabilizadas por suportes diagonais.

Segundo as duas organizações, o desenvolvimento desta nova geração de aeronaves pode ajudar no cumprimento da meta da Casa Branca e da indústria de reduzir a zero as emissões de carbono da aviação até 2050.

cl/des/atm/yow/ic/am