Mercado fechará em 6 h 13 min
  • BOVESPA

    122.573,88
    -1.002,68 (-0,81%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.633,91
    0,00 (0,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,50
    -2,06 (-2,92%)
     
  • OURO

    1.835,70
    +21,60 (+1,19%)
     
  • BTC-USD

    39.178,93
    +593,56 (+1,54%)
     
  • CMC Crypto 200

    960,62
    +33,85 (+3,65%)
     
  • S&P500

    4.408,92
    -14,23 (-0,32%)
     
  • DOW JONES

    34.915,13
    -201,27 (-0,57%)
     
  • FTSE

    7.115,80
    +10,08 (+0,14%)
     
  • HANG SENG

    26.426,55
    +231,73 (+0,88%)
     
  • NIKKEI

    27.584,08
    -57,75 (-0,21%)
     
  • NASDAQ

    15.046,25
    0,00 (0,00%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1604
    -0,0051 (-0,08%)
     

NASA e Bill Gates investem em empresa que produz "carne"com fungo de Yellowstone

·2 minuto de leitura

Cada vez mais, grandes empresas estão empenhadas em criar soluções para combater as mudanças climáticas, causadas principalmente pelo consumo de proteína animal. Com isso, começaram a surgir novas possibilidades de consumir produtos que imitam o sabor da carne para aqueles que não conseguem deixar de lado sentir esse gosto, mas querem ajudar a salvar o planeta.

Entre essas empresas e empresários estão NASA e Bill Gates, fundador da Microsoft, que investiram financeiramente em uma companhia comprometida em fazer comida a partir de um fungo encontrado no parque nacional de Yellowstone, na Califórnia.

<em>Imagem: Reprodução/Wirestock/Freepik</em>
Imagem: Reprodução/Wirestock/Freepik

A empresa em questão se chama Nature's Fynd e tem como cofundador Mark Kozubal, um estudante de doutorado que pesquisa organismos que podem viver em condições ambientais extremas, chamados de extremófilos. Em Yellowstone, ele coletou amostras de um micro-organismo em uma fonte termal e o transformou em uma nova maneira de criar alimentos.

A produção é feita com um método de fermentação que transforma o fungo em alimento sem a necessidade de sol, chuva ou de estar no solo. "Em apenas alguns dias, os filamentos crescem, se entrelaçam e formam uma estrutura com uma textura similar a uma fibra muscular", explica a empresa. Então, esse produto pode ser transformado em algo sólido, líquido ou em pó, inclusive no espaço, o que justifica o interesse da NASA no alimento.

O produto promete ser mais amigável ao meio ambiente, emitindo menos gases de efeito estufa do que outras formas de proteína. Além disso, usa menos partes de terra para a produção, sendo 3,6 vezes mais eficiente do que animais e 1,4 vezes mais do que plantas na questão de proteína gerada por partes de terra. Sendo assim, o fungo exige 99% menos terra do que a produção de carne.

Esse tal fungo estudado por Kozubal é o Fusarium, da variedade flavolapis, e de acordo com a empresa seus produtos contam com todos os 20 aminoácidos essenciais para o organismo, além de 50% mais proteína do que o tofu. A companhia oferece não só hambúrgueres sem proteína animal, como também queijo cremoso, conhecido como cream cheese.

Desde a fundação da empresa, em 2012, Kozubal já obteve US$ 158 milhões em investimento, que vieram da NASA e outras agências governamentais dos Estados Unidos, como também de Jeff Bezos, Richard Branson, Bill Gates e Michael Bloomberg.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos