Mercado fechado
  • BOVESPA

    109.914,67
    +2.084,95 (+1,93%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.953,28
    -382,23 (-0,72%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,38
    +1,24 (+1,61%)
     
  • OURO

    1.887,40
    +2,60 (+0,14%)
     
  • BTC-USD

    22.843,75
    -258,08 (-1,12%)
     
  • CMC Crypto 200

    526,25
    -10,64 (-1,98%)
     
  • S&P500

    4.119,08
    -44,92 (-1,08%)
     
  • DOW JONES

    33.961,24
    -195,45 (-0,57%)
     
  • FTSE

    7.885,17
    +20,46 (+0,26%)
     
  • HANG SENG

    21.283,52
    -15,18 (-0,07%)
     
  • NIKKEI

    27.606,46
    -79,01 (-0,29%)
     
  • NASDAQ

    12.527,00
    -249,75 (-1,95%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5705
    -0,0066 (-0,12%)
     

NASA diz que não conseguiria evitar impacto de asteroide com a Terra

danger of space.
Mesmo com uso de armas nucleares, a previsão do impacto seria de 100%
  • Equipe da NASA foi desafiada em desafio hipotético a evitar impacto de asteroide em rota de colisão com a Terra

  • Mesmo usando armas nucleares, a previsão de impacto seria de 100%, já que não daria tempo de construir uma missão espacial

  • Alternativa seria criação de aeronaves de resposta rápida

Durante a conferência International Academy of Astronautic’s Planetary Defense, uma equipe de pesquisadores da NASA (Agência Espacial Norte-Americana) foi confrontada com um cenário desafiador: evitar o impacto de um asteroide em rota de colisão com a Terra. Apesar dos estudos, a agência chegou à conclusão de que não havia possibilidade alguma de conter o desastre. As informações são da Istoé Dinheiro.

Leia também:

O estudo

Segundo Lindley Johnson, oficial de Defesa Planetária da NASA, a equipe do Centro para Estudos de Objetos Próximos à Terra da agência deu o nome de 2021 PDC ao asteroide hipotético e descreveu o objeto, dividindo informações durante os quatro dias do evento. A probabilidade de colisão era de 1 para 20 algures para outubro de 2021.

Entretanto, mesmo com o uso de armas nucleares, a equipe chegou à conclusão de que a probabilidade de impacto seria de 100%, já que não daria tempo para preparar uma missão espacial com o objetivo de desviar o asteroide ou reduzir o perigo do choque com a Terra. Lindley explicou que hoje, são necessários pelo menos dois anos para essa preparação.

A alternativa foi a criação de aeronaves de resposta rápida, que possam ser colocadas entrar em órbita apenas alguns dias ou semanas antes do impacto.