Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.380,49
    -948,50 (-0,80%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.683,55
    -126,66 (-0,28%)
     
  • PETROLEO CRU

    51,98
    -1,15 (-2,16%)
     
  • OURO

    1.855,50
    -10,40 (-0,56%)
     
  • BTC-USD

    32.044,35
    -614,34 (-1,88%)
     
  • CMC Crypto 200

    651,44
    +41,45 (+6,79%)
     
  • S&P500

    3.841,47
    -11,60 (-0,30%)
     
  • DOW JONES

    30.996,98
    -179,03 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.695,07
    -20,35 (-0,30%)
     
  • HANG SENG

    29.447,85
    -479,91 (-1,60%)
     
  • NIKKEI

    28.631,45
    -125,41 (-0,44%)
     
  • NASDAQ

    13.355,25
    -40,25 (-0,30%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6542
    +0,1458 (+2,24%)
     

NASA decide estender as missões InSight e Juno, que estudam Marte e Júpiter

Danielle Cassita
·3 minuto de leitura

A busca da NASA por respostas sobre os mistérios que o Sistema Solar e além guardam, continua. Assim, um comitê de análise independente avaliou as missões InSight e Juno e recomendou que a agência espacial norte-americana as estenda e, assim, continuem com suas contribuições com novas informações sobre nossos vizinhos. Agora, a InSight deverá ser mantida em Marte até 2022, enquanto a Juno foi estendida em Júpiter até 2025.

A decisão veio após o comitê de análise independente, formado por especialistas em espaço, operações e gerenciamento de missões, ter considerado que essas missões “produziram ciência excepcional”. De acordo com Lori Glaze, diretora da divisão de ciência planetária na NASA, “a análise validou que as duas missões planetárias científicas deverão continuar trazendo novas descobertas, além de produzir novas perguntas sobre o Sistema Solar”. Ela agradeceu aos membros do comitê e às equipes das missões, ressaltando que eles vão continuar o trabalho para fornecer oportunidades de descobertas que refinem o conhecimento da ciência de Júpiter e Marte.

Essas extensões irão impulsionar grandes investimentos da NASA — e, ao mesmo tempo, apresentaram custos bem menores do que aqueles que existiriam com o desenvolvimento de uma nova missão. Às vezes, as extensões das missões permitem a coleta de dados importantes de longa duração, e podem também permitir estudos de novos objetos de estudo para outros propósitos científicos.

Saiba mais sobre a extensão das missões e os objetivos delas:

Missão Juno

(Imagem: Reprodução/NASA/JPL-Caltech)
(Imagem: Reprodução/NASA/JPL-Caltech)

Desde quando alcançou seu destino em 2016, a sonda Juno e sua equipe conseguiram descobertas espetaculares sobre o interior de Júpiter, seu campo magnético e magnetosfera, além da compreensão sobre a dinâmica atmosférica e seus processos, que se revelaram mais complexos do que se pensava. Assim, a equipe responsável pela missão Juno já vinha considerando desde o ano passado a possibilidade de uma extensão para estudos sobre as luas jovianas e os anéis que envolvem o gigante gasoso.

Agora, com a extensão, a missão deverá ser mantida até setembro de 2025 ou até o fim da sua vida — o que acontecer primeiro. Nisso, a nave irá continuar realizando as observações essenciais de Júpiter, além de investigar também os anéis e luas do planeta por meio de sobrevoos de Ganimedes, Europa e Io.

Missão InSight

(Imagem: Reprodução/NASA/JPL-Caltech)
(Imagem: Reprodução/NASA/JPL-Caltech)

A missão chegou ao Planeta Vermelho no final de novembro de 2018 e, desde então, já nos proporcionou diversas descobertas científicas sobre a presença da água em Marte, o campo magnético e até a atividade tectônica. A equipe e a sonda estacionária conseguiram operar com sucesso o sismômetro de alta sensibilidade para entender melhor o que acontece na crosta e no manto do Planeta Vermelho. Assim, ao buscar e identificar os “martemotos” (apelido dado aos abalos sísmicos que ocorrem por lá), a equipe coletou dados que indicam com clareza a atividade tectônica e, portanto, a dinâmica atmosfera de Marte e sua estrutura interior.

Agora, a missão recebeu uma extensão de dois anos, e deverá se manter ativa até dezembro de 2022. Então, a missão estendida terá foco na produção do conjunto de dados de alta qualidade sobre a atividade sísmica vigente no planeta, que serão produzidos com o apoio da estação climática que compõem a nave e o instrumento Instrument Deployment Arm (IDA). Além disso, a missão estendida pode continuar a implementação da “toupeira”, que deverá retomar suas escavações por conta própria em breve.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: