Mercado fechado
  • BOVESPA

    102.224,26
    -3.586,99 (-3,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.492,52
    -1.132,48 (-2,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,15
    -10,24 (-13,06%)
     
  • OURO

    1.788,10
    +1,20 (+0,07%)
     
  • BTC-USD

    54.937,47
    +325,36 (+0,60%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.365,60
    -89,82 (-6,17%)
     
  • S&P500

    4.594,62
    -106,84 (-2,27%)
     
  • DOW JONES

    34.899,34
    -905,04 (-2,53%)
     
  • FTSE

    7.044,03
    -266,34 (-3,64%)
     
  • HANG SENG

    24.080,52
    -659,64 (-2,67%)
     
  • NIKKEI

    28.751,62
    -747,66 (-2,53%)
     
  • NASDAQ

    16.051,00
    -315,00 (-1,92%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3485
    +0,1103 (+1,77%)
     

NASA confirma 3ª amostra de solo marciano coletada pelo rover Perseverance

·2 min de leitura

A NASA confirmou a terceira coleta de amostra de solo marciano realizada pelo rover Perseverance. Enquanto explora a cratera Jezero, o robô de seis rodas seleciona os materiais mais promissores que possam revelar algum traço de vida microbiana no passado de Marte e também parte de sua história geológica — e o novo conteúdo chama atenção por sua cor esverdeada.

Conforme divulgado pela equipe responsável pelo rover, a amostra se trata de um pedaço de um mineral esverdeado conhecido como olivina. Embora a NASA não tenha revelado mais informações, os cientistas envolvidos na missão estão cheios de ideias do que esta nova amostra possa significar. Minerais como basalto e olivina são facilmente encontrados na Terra em pedações de lava salificado — as chamadas rochas ígneas.

Enquanto isso, os cientistas buscam entender a relação entre olivina e carbonatos, um tipo de mineral que normalmente se forma quando há interação entre dióxido de carbono e água líquida. No início de outubro, a NASA confirmou que a cratera Jezero se tratava de um antigo leito de lago em um passado bem distante do planeta e, por isto, é um local promissor para entender o seu histórico hidrológico e para procurar registros de vida microbiana que possa ter existido ali.

Algumas teorias indicam que os depósitos de olivina encontrados na cratera possam ser o resultado de um depósito de cinzas de alguma explosão vulcânica, ou apenas mais uma prova de um leito de lago seco. Vale lembrar que o Perseverance já coletou duas amostras, a mais recente no início de setembro, após falhar em sua primeira tentativa. Agora, o rover se encontra em uma região da cratera conhecida como Séítah, uma área repleta de dunas e rochas.

Parte da região Séítah, na cratera Jezero, registrada no último dia 15 pela câmera frontal do Perseverance (Imagem: Reprodução/NASA/JPL-Caltech)
Parte da região Séítah, na cratera Jezero, registrada no último dia 15 pela câmera frontal do Perseverance (Imagem: Reprodução/NASA/JPL-Caltech)

O estudante Erin Gibbons, da Universidade McGill e que colabora com a missão, explicou que as camadas geológicas na cratera Jezero são uma oportunidade única para explorar a evolução da paisagem. “Ao estudar as direções em que as camadas se inclinaram, determinamos que as rochas de Séítah são provavelmente as rochas mais antigas expostas em toda a cratera de Jezero", acrescentou Gibbons.

Todas as amostras coletadas pelo Perseverance serão armazenadas para que a futura missão conjunta entre NASA e Agência Espacial Europeia (ESA) possam trazê-las para a Terra, onde serão analisadas com mais profundidade. Agora, com mais uma amostra coletada, a missão está mais próxima de entender mais um pouco do passado marciano.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos