Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.523,47
    -1.617,17 (-1,47%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.049,05
    +174,14 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,23
    -2,65 (-3,49%)
     
  • OURO

    1.865,90
    -50,40 (-2,63%)
     
  • BTC-USD

    23.292,71
    -258,57 (-1,10%)
     
  • CMC Crypto 200

    535,42
    -1,43 (-0,27%)
     
  • S&P500

    4.136,48
    -43,28 (-1,04%)
     
  • DOW JONES

    33.926,01
    -127,93 (-0,38%)
     
  • FTSE

    7.901,80
    +81,64 (+1,04%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.616,50
    -230,25 (-1,79%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5385
    +0,0488 (+0,89%)
     

NASA apoia empresa que quer trazer lixo espacial à Terra usando paraquedas

A Outpost Technologies está testando um conceito de tecnologia capaz de remover o lixo espacial da órbita da Terra. Usando uma espécie de paraquedas, a empresa já conseguiu resgatar uma amostra detrito orbital dessa maneira.

Com esse projeto, a Outpost pretende trazer de volta equipamentos abandonados no espaço, tais como satélites aposentados e experimentos científicos já finalizados da Estação Espacial Internacional (ISS).

E o conceito já está atraindo potenciais parceiros comerciais e investidores. A NASA, que tem muitos motivos para se preocupar com o problema do lixo espacial, concedeu à Outpost um contrato para colaborar com o desenvolvimento do projeto em sua fase inicial. O objetivo da NASA é, especificamente, trazer de volta ao planeta a carga útil da ISS, que já se acumula há décadas na estação orbital.

Hoje em dia, não há mais tempo útil para resgatar esse lixo usando espaçonaves, então a esperança de limpar a órbita terrestre acaba ficando com as novas tecnologias de empresas privadas, como a Outpost.

Infográfico do funcionamento de um satélite reutilizável da Outpost, que também pode aproveitar a viagem para resgatar satélites aposentados e outras peças em órbita (Imagem: Reprodução/Outpost)
Infográfico do funcionamento de um satélite reutilizável da Outpost, que também pode aproveitar a viagem para resgatar satélites aposentados e outras peças em órbita (Imagem: Reprodução/Outpost)

Para realizar a missão, a empresa quer adaptar um de seus projetos atuais, chamado Earth Return Ferry — um satélite reutilizável que se propõe a levar experimentos de seus clientes, como as agências espaciais, e trazê-los de volta. A adaptação recebeu o nome de Cargo Ferry, que será capaz de trazer cargas de estações espaciais, como a ISS, de volta à Terra. A empresa promete que o veículo estará pronto muito antes de a ISS se aposentar em 2030.

Cargas maiores devem ser transportadas em naves como a Dragon, da SpaceX. A grande vantagem do Cargo Ferry, no entanto, é o baixo custo e a capacidade de coletar pequenos objetos com grande eficácia. No caso do lixo espacial, o Cargo Ferry buscará os satélites em órbita com um pequeno veículo e, depois, v ai conduzi-los pela atmosfera por meio de um parapente (uma espécie de paraquedas pequeno) em velocidades subsônicas. Assim, o pouso será suave.

Além disso, o Cargo Ferry terá proteção para que o equipamento resgatado não queime ao reentrar na atmosfera. A Outpost também pretende enviar seus satélites reutilizáveis para implantação e, em seguida, “pescar” os satélites antigos ou desativados para limpar a órbita terrestre.

Essas ideias ainda estão no estágio de testes iniciais, mas a Outpost parece estar empenhada para colocá-las em prática no mercado. A empresa recentemente levantou US$ 7 milhões em um financiamento inicial, aumentando sua equipe de 2 para 14 funcionários.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: