Mercado abrirá em 7 h 49 min
  • BOVESPA

    122.964,01
    +1.054,98 (+0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.655,29
    -211,86 (-0,42%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,30
    +0,02 (+0,03%)
     
  • OURO

    1.830,40
    -5,70 (-0,31%)
     
  • BTC-USD

    57.484,20
    +2.311,39 (+4,19%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.556,32
    +1.313,64 (+541,31%)
     
  • S&P500

    4.152,10
    -36,33 (-0,87%)
     
  • DOW JONES

    34.269,16
    -473,66 (-1,36%)
     
  • FTSE

    6.947,99
    -175,69 (-2,47%)
     
  • HANG SENG

    27.910,60
    -103,21 (-0,37%)
     
  • NIKKEI

    27.957,21
    -651,38 (-2,28%)
     
  • NASDAQ

    13.255,50
    -90,50 (-0,68%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3319
    -0,0135 (-0,21%)
     

Não foi só a Hering: relembre fusões recentes com empresas brasileiras

Redação Finanças
·2 minuto de leitura
Natura e Avon formaram a 4ª maior empresa de cosméticos do mundo
Natura e Avon formaram a 4ª maior empresa de cosméticos do mundo
  • Suzano e Fibria formaram o novo líder do segmento de celulose do mundo

  • Hapvida e Notre Dame Intermédica formaram maior conglomerado de Saúde do Brasil

  • Claro comprou a Nextel para se consolidar no setor de telecomunicações do Brasil

A semana envolvendo grandes empresas brasileiras começou agitada com o anúncio da fusão bilionária entre Hering e Soma. Os últimos anos, aliás, estão sendo prósperos em grandes transações envolvendo companhias brasileiros. Relembre algumas dessas operações:

Suzano e Fibria

Em 2019, a Suzano incorporou a Fibria, criando um novo líder mundial no segmento de celulose avaliado em R$ 47,6 bilhões.

Natura e Avon

Também em 2019, a Natura anunciou a compra da Avon, o que formou a quarta maior empresa de cosméticos do mundo, com faturamento anual superior a R$ 54 bilhões. As marcas estão em mais de 100 países.

Itaú e XP

(Foto: Montagem)
(Foto: Montagem)

Em maio de 2017, o Itaú Unibanco comprou 49% das ações da corretora de investimentos XP por R$ 6 bilhões. Em dezembro do ano passado, o banco começou um "divórcio" amigável. Ele venderá 5% de suas ações na XP, dando início ao processo de saída da maior plataforma de investimento do País. O conselho do Itaú aprovou que o restante da sua participação na XP, correspondente a 41,05% da companhia, será segregada para uma nova empresa, batizada de NewCo.

Hapvida e Notre Dame Intermédica

A fusão entre a cearense Hapvida e a Notre Dame Intermédica, anunciada neste ano, formou o maior conglomerado de saúde do Brasil, avaliado em cerca de R$ 120 bilhões.

Boeing e Embraer

Em julho de 2018, a Boeing e a Embraer anunciaram a criação de uma joint venture, na qual a Boeing teria 80% de participação e pagaria R$ 4,2 bilhões à empresa brasileira. A Boeing desistiu da parceria em abril do ano passado alegando dificuldades financeiras por causa da crise com o 737 MAX.

Tyson Foods e Marfrig Global Foods

A brasileira Marfrig Global Foods fechou acordo em outubro de 2018, com americana Tyson Foods para a venda da totalidade de sua participação na subsidiária Keystone Foods por R$ 13,2 bilhões.

Claro e Nextel

A norte-americana Móvil, controladora da Claro, comprou a Nextel em 2019 por quase R$ 5 bilhões com o objetivo de se consolidar no mercado de telecomunicações do Brasil.

Hypera Pharma e Takeda Pharmaceutical

Ainda no ano passado, a Hypera Pharma fechou acordo pela aquisição de 18 medicamentos da Takeda Pharmaceutical por R$ 4,5 bilhões. Entre os produtos mais conhecidos estão Neosaldina e Dramin.

Paper Excellence e Eldorado Celulose

Em setembro de 2017, o grupo asiático Paper Excellence, companhia da mesma família que controla a gigante asiática Asia Pulp and Paper, comprou a Eldorado Celulose por R$ 15 bilhões