Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.880,82
    +1.174,91 (+0,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.219,26
    +389,95 (+0,80%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,51
    +1,69 (+2,65%)
     
  • OURO

    1.844,00
    +20,00 (+1,10%)
     
  • BTC-USD

    49.295,73
    -1.478,91 (-2,91%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,33
    +39,77 (+2,93%)
     
  • S&P500

    4.173,85
    +61,35 (+1,49%)
     
  • DOW JONES

    34.382,13
    +360,68 (+1,06%)
     
  • FTSE

    7.043,61
    +80,28 (+1,15%)
     
  • HANG SENG

    28.027,57
    +308,90 (+1,11%)
     
  • NIKKEI

    28.084,47
    +636,46 (+2,32%)
     
  • NASDAQ

    13.398,00
    +297,75 (+2,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4040
    -0,0085 (-0,13%)
     

Namorada de George Floyd foi professora de Daunte Wright, morto por policial em Minneapolis

Extra
·1 minuto de leitura

Daunte Wright, jovem negro morto no domingo pela policial Kim Potter em Minneapolis, no estado americano de de Minnesota, foi aluno de Courteney Ross, namorada de George Floyd, assassinado no ano passado após o policial Derek Chauvin passar quase 10 minutos minutos ajoelhado em seu pescoço. A triste coincidência foi confirmada pela tia de Daunte, Naisha Wright, durante entrevista coletiva na terça-feira, ao lado da família de Floyd.

— Meu sobrinho tinha 20, 20 anos! Ele era amado. Ele era nosso. O mais louco é descobrir hoje que minha família tem ligações com esse homem, com essa família. A namorada dele foi professora do meu sobrinho. Meu sobrinho era um jovem adorável. Seu sorriso era o sorriso mais lindo. Vocês viram isso — lamentou Naisha.

Kim Potter, de 26 anos, baleou Daute durante uma blitz e disse ter confundido a pistola com uma arma de choque. A agente e o chefe de polícia do Brooklyn Center pediram demissão após o ocorrido.

Courteney Ross confirmou a conexão com Daute em entrevista ao jornal Washington Post. Ela contou que o jovem frequentou a Edison High School, onde trabalhava, e acrescentou que a última vez que o viu foi quando ela e Floyd estavam caminhando pelo Brooklyn Center no verão de 2019 e Daute estava sendo abordado pela polícia.

— Ele precisava de muito amor. Alunos como Daunte precisavam de mais recursos, mas nunca tiveram. Nosso sistema não serve a crianças como Daunte — afirmou.