Mercado fechará em 1 h 4 min
  • BOVESPA

    117.171,85
    +707,79 (+0,61%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.235,18
    -818,38 (-1,82%)
     
  • PETROLEO CRU

    53,16
    +0,55 (+1,05%)
     
  • OURO

    1.844,10
    -6,80 (-0,37%)
     
  • BTC-USD

    30.342,40
    -1.609,08 (-5,04%)
     
  • CMC Crypto 200

    609,79
    -30,13 (-4,71%)
     
  • S&P500

    3.797,38
    -52,24 (-1,36%)
     
  • DOW JONES

    30.632,06
    -304,98 (-0,99%)
     
  • FTSE

    6.567,37
    -86,64 (-1,30%)
     
  • HANG SENG

    29.297,53
    -93,73 (-0,32%)
     
  • NIKKEI

    28.635,21
    +89,03 (+0,31%)
     
  • NASDAQ

    13.307,25
    -178,25 (-1,32%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5209
    +0,0101 (+0,16%)
     

Naja que picou estudante de veterinária vale até R$ 20 mil no comércio ilegal

Colaboradores Yahoo Notícias
·1 minuto de leitura
Cobra naja, que havia picado um jovem na noite de terça-feira (7), em Brasília, foi localizada pela Polícia Militar.

A cobra da espécie naja, que picou o estudante de medicina veterinária Pedro Henrique Santos Krambeck Lehmkul, na última terça-feira (7), vale até R$ 20 mil, no comércio ilegal, segundo estimativa da Polícia Civil do Distrito Federal.

Originária de regiões da África e da Ásia, a Naja é considerada uma das cobras mais venenosas do mundo. Ela foi encontrada próximo a um shopping em Brasília e está sob os cuidados do zoológico da cidade.

O estudante foi multado em R$ 2 mil pelo Ibama por criar a naja sem autorização. O órgão informou que o aluno de veterinária mantinha a naja em ambiente doméstico, o que é proibido. Ele ainda seria dono de outras 16 serpentes, conforme investigação policial.

Três estudantes colegas de Pedro Henrique na instituição de ensino privado Faciplac foram ouvidos pela corporação. Um deles, Gabriel Ribeiro, teria sido quem abandonou a cobra após o acidente e "preferiu ficar em silêncio", disseram os policiais ao portal G1.

Leia também

"A suspeita é que esse estudantes começaram a comercializar esses animais exóticos, que são caros e raros. Sabemos que envolve muito dinheiro no comércio ilegal", afirma a polícia.

Em nota, a Faciplac disse que "não tinha conhecimento da posse de nenhuma cobra ou outros tipos de animais silvestres entre os alunos".