Nagel diz que juros do BCE devem subir e volatilidade das ações de bancos não surpreende

Joachim Nagel, presidente do banco central alemão

Por Andy Bruce

EDIMBURGO (Reuters) - O Banco Central Europeu deve continuar a elevar os juros para conter a inflação, disse o presidente do banco central alemão, Joachim Nagel, nesta sexta-feira, minimizando outra liquidação de ações de bancos como uma extensão natural da recente volatilidade do mercado.

O BCE elevou os juros no ritmo mais rápido já registrado no ano passado, mas a turbulência recente nos mercados financeiros após colapsos de bancos proeminentes levantou dúvidas sobre sua determinação de apertar ainda mais a política monetária.

Mas Nagel deixou claro que uma pausa não é necessária, já que a inflação, vista em torno de 6% em média na Alemanha, a maior economia da zona do euro, levará muito tempo para voltar à meta de 2% do BCE.

"Os desenvolvimentos salariais devem prolongar o período predominante de altas taxas de inflação", disse Nagel em uma palestra em Edimburgo. "Em outras palavras: a inflação se tornará mais persistente."

As ações dos bancos caíam novamente nesta sexta-feira, lideradas por uma queda de 12% no Deutsche Bank, com os temores de que os piores problemas do setor desde a crise financeira de 2008 ainda não foram contidos.

"Não estou tão surpreso que os mercados estejam um pouco mais voláteis em comparação com antes desses eventos", disse Nagel, recusando-se a comentar sobre o Deutsche Bank. "Nas semanas após eventos tão interessantes, muitas vezes é uma estrada esburacada."

As autoridades do BCE passaram a semana passada argumentando que os bancos da zona do euro são bem capitalizados e possuem ampla liquidez, de modo que a volatilidade é apenas um contágio exportado e não um sintoma de fraqueza doméstica.

O BCE também disse que preços e estabilidade financeira não são objetivos opostos e possui ferramentas diferentes para enfrentar ambos.

(Por Andy Bruce)