Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.976,70
    -2.854,30 (-2,55%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.668,64
    -310,36 (-0,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,02
    -0,26 (-0,34%)
     
  • OURO

    1.752,90
    -1,10 (-0,06%)
     
  • BTC-USD

    16.478,12
    +3,99 (+0,02%)
     
  • CMC Crypto 200

    387,56
    +4,91 (+1,28%)
     
  • S&P500

    4.026,12
    -1,14 (-0,03%)
     
  • DOW JONES

    34.347,03
    +152,93 (+0,45%)
     
  • FTSE

    7.486,67
    +20,07 (+0,27%)
     
  • HANG SENG

    17.573,58
    -87,32 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    28.115,68
    -167,35 (-0,59%)
     
  • NASDAQ

    11.720,50
    -62,25 (-0,53%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,6205
    -0,0039 (-0,07%)
     

Nagel deixa porta aberta para altas menores de juros do BCE, mas vê longo caminho a frente

Presidente do banco central alemão, Joachim Nagel

FRANKFURT (Reuters) - O presidente do banco central alemão, Joachim Nagel, abriu a possibilidade de aumentos menores nas taxas de juros do Banco Central Europeu nesta terça-feira, mas disse que ainda há um longo caminho a percorrer na elevação dos custos dos empréstimos.

Com a inflação da zona do euro em dois dígitos, o BCE tem elevado os juros em movimentos recordes de 75 pontos-base, mas várias autoridades pediram aumentos menores a partir de dezembro.

Nagel, um das autoridades mais agressivas do BCE em relação à política monetária, que geralmente é a favor de juros mais altos, disse a repórteres que um aumento de 50 pontos também contará como "forte", mas acrescentou que juros ainda estão tão baixos que estimulam a economia e estão "relativamente longe" de restringi-la.

"Mesmo 50 pontos-base é um movimento forte", disse Nagel.

O BCE elevou sua taxa de depósito de -0,5% para 1,5% em três meses e diz que quer pelo menos levá-la de volta ao ponto neutro, onde não apoia nem restringe a atividade econômica.

Este é um nível elusivo que muitos economistas atualmente colocam em torno de 2%.

(Reportagem de Francesco Canepa)