Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.764,26
    +3.046,26 (+2,78%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.853,37
    +392,77 (+0,81%)
     
  • PETROLEO CRU

    91,88
    -0,21 (-0,23%)
     
  • OURO

    1.818,90
    +3,40 (+0,19%)
     
  • BTC-USD

    24.356,59
    -145,30 (-0,59%)
     
  • CMC Crypto 200

    574,64
    +3,36 (+0,59%)
     
  • S&P500

    4.280,15
    +72,88 (+1,73%)
     
  • DOW JONES

    33.761,05
    +424,35 (+1,27%)
     
  • FTSE

    7.500,89
    +34,98 (+0,47%)
     
  • HANG SENG

    20.175,62
    +93,22 (+0,46%)
     
  • NIKKEI

    28.546,98
    +727,68 (+2,62%)
     
  • NASDAQ

    13.580,00
    +2,25 (+0,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2017
    -0,1220 (-2,29%)
     

Nagel, do BCE, diz que spreads de títulos estão justos até que se prove o contrário

Presidente do BC da Alemanha, Joachim Nagel

FRANKFURT (Reuters) - O membro do Banco Central Europeu Joachim Nagel elevou o nível para uma intervenção do BCE no mercado de títulos nesta terça-feira, dizendo entender que as diferenças nos rendimentos seriam "fundamentalmente justificadas" até que se prove o contrário.

O BCE está trabalhando em um novo esquema de compra de títulos para reduzir os custos de empréstimos para a Itália e outros países endividados no sul da zona do euro, que têm aumentado mais rapidamente do que os da Alemanha desde que o banco central interrompeu as compras e anunciou planos para aumentar as taxas de juros.

"Os mercados financeiros estão agora fazendo uma maior diferenciação entre os diferentes riscos devido à mudança nas perspectivas da política monetária", disse Nagel, chefe do banco central da Alemanha, em um evento.

"Presumo que estes desenvolvimentos de preços são fundamentalmente justificados, já que não há provas do contrário."

O BCE deve divulgar o novo esquema em 21 de julho e impor condições tais como que a dívida de um país seja considerada sustentável ou que cumpra as recomendações econômicas e as regras orçamentárias da União Europeia.

Seu principal argumento é que tais spreads nem sempre são justificados por fundamentos econômicos e que criam "fragmentação" - ou condições de financiamento desiguais entre os 19 países que compartilham o euro.

Em uma reunião de emergência em 15 de junho, Nagel se opôs ao anúncio pelo BCE de planos para acelerar os trabalhos sobre a nova ferramenta, embora desde então tenha estabelecido as condições que o tornariam aceitável para ele.

(Reportagem de Francesco Canepa)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos