Mercado abrirá em 9 h 23 min
  • BOVESPA

    117.560,83
    +363,01 (+0,31%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.326,68
    +480,85 (+1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    88,40
    -0,05 (-0,06%)
     
  • OURO

    1.719,10
    -1,70 (-0,10%)
     
  • BTC-USD

    20.000,70
    -336,51 (-1,65%)
     
  • CMC Crypto 200

    454,99
    -8,13 (-1,76%)
     
  • S&P500

    3.744,52
    -38,76 (-1,02%)
     
  • DOW JONES

    29.926,94
    -346,93 (-1,15%)
     
  • FTSE

    6.997,27
    -55,35 (-0,78%)
     
  • HANG SENG

    17.834,75
    -177,40 (-0,98%)
     
  • NIKKEI

    27.149,76
    -161,54 (-0,59%)
     
  • NASDAQ

    11.538,75
    -3,00 (-0,03%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1015
    -0,0120 (-0,23%)
     

Nacionalização da companhia de gás alemã Uniper entra em 'discussões finais'

A companhia de gás alemã Uniper anunciou na quinta-feira que está prestes a ser nacionalizada por Berlim, enquanto luta para lidar com a disparada dos preços dos combustíveis desde o início da invasão da Ucrânia pela Rússia.

A Uniper está na fase de "discussões finais" do acordo com o governo alemão e seu principal acionista, a companhia energética finlandesa Fortum, informou a gigante do gás em comunicado.

De acordo com o plano em negociação, espera-se que o governo alemão "adquira as ações da Uniper detidas pela Fortum", obtendo assim "uma maioria significativa das ações", explica a empresa na nota.

O governo também planeja injetar 8 bilhões de euros para apoiar a empresa, acrescentou, apontando que "o acordo final ainda não foi concluído".

A Uniper, maior importadora e armazenadora de gás da Alemanha, foi duramente atingida pela redução drástica no fornecimento de gás russo desde a guerra.

As entregas suspensas tiveram que ser substituídas por suprimentos caros do mercado livre, onde os preços do gás dispararam, aumentando a pressão sobre a Uniper.

Em julho, o governo alemão lançou um plano de resgate para ajudar o grupo, com linhas de crédito de 9 bilhões de euros, e comprou uma participação de 30% na empresa.

Mas anunciou no início deste mês que os dois lados estavam explorando uma possível nacionalização, dada a falta de perspectivas de que a crise não seria resolvida em breve.

Fortum, acionista majoritário, confirmou que as discussões sobre o acordo de resgate estavam em sua "fase final" e seriam compensadas pelo apoio à Uniper este ano.

A empresa finlandesa concedeu um empréstimo de € 8 bilhões à Uniper em janeiro, em um momento em que os preços do gás subiam em meio às tensões pré-invasão com Moscou.

Fortum passou então a deter cerca de 80% da companhia de gás alemã, embora com o resgate de Berlim em julho tenha sido reduzida para 56%.

A Bolsa de Valores de Helsinque anunciou nesta terça-feira a cessação das negociações das ações da Fortum em meio a negociações de um acordo iminente sobre a nacionalização da Uniper.

As ações da Fortum subiram 9,5%, a 12,10 euros, antes da suspensão, enquanto as da Uniper subiram 3,8%, a 4,18 euros, na Bolsa de Frankfurt no fechamento do pregão.

O ministro finlandês responsável pelas empresas estatais disse que seu país "não aceitará a nacionalização sem compensação".

"Achamos importante que a Fortum recupere os 8 bilhões que pagou à Uniper e, em geral, que os contribuintes finlandeses não sofram custos indevidos para resolver esta crise", disse Tytti Tuppurinen.

No início de setembro, o governo alemão iniciou conversas com outro fornecedor de gás, a VNG, sobre um possível pacote de resgate.

A guerra da Rússia na Ucrânia causou um terremoto nos mercados de energia europeus, aumentando a pressão sobre os fornecedores e aumentando os temores de uma possível escassez durante o inverno boreal.

sea/hmn/rl/aoc/mb/mr