Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.061,99
    -871,79 (-0,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.909,02
    +380,05 (+0,78%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,28
    -1,39 (-2,22%)
     
  • OURO

    1.793,40
    +15,00 (+0,84%)
     
  • BTC-USD

    55.633,38
    -59,18 (-0,11%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.282,80
    +19,84 (+1,57%)
     
  • S&P500

    4.161,32
    +26,38 (+0,64%)
     
  • DOW JONES

    34.063,92
    +242,62 (+0,72%)
     
  • FTSE

    6.895,29
    +35,42 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.621,92
    -513,81 (-1,76%)
     
  • NIKKEI

    28.508,55
    -591,83 (-2,03%)
     
  • NASDAQ

    13.852,00
    +57,75 (+0,42%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6994
    -0,0031 (-0,05%)
     

Na volta de Ganso, Fluminense desperdiça chances contra a Portuguesa e amarda segunda derrota

O Globo
·2 minuto de leitura

A decisão de mandar a garotada a campo no início do Campeonato Carioca tem causado problemas para algumas das grandes equipes. O Fluminense é a principal delas. Neste domingo, mesmo em partida que marcou o retorno do meia Paulo Henrique Ganso entre os titulares após 81 dias, o tricolor amargou a segunda derrota na competição. Sensação do torneio até aqui, a Portuguesa fez 3 a 0 e chegou a sua segunda vitória seguida - depois de bater o Vasco na estreia. Agora, lidera a competição.

O Fluminense não perdia para Portuguesa desde 1995. Com o resultado, segue sem pontuar, assim como o Vasco, e ocupa a última posição entre 12 equipes da Taça Guanabara. No próximo domingo, encara o Flamengo, o único time grande que até agora conseguiu 100% dos pontos contra equipes de menor investimento após duas rodadas.

Os meninos de Xerém foram surpreendidos por uma equipe experiente e bem treinada. O retorno de Ganso depois de uma crise de apendicite fez pouca diferença em termos coletivos. A Portuguesa segurou o ímpeto inicial do Fluminense e não demorou para abrir o placar.

Aos 23 minutos, em boa jogada de Hugo Cabral pela esquerda, Romarinho aproveitou e tocou no canto do goleiro Pedro Rangel. Atrás do placar, o Fluminense acordou. E produziu uma série de oportunidades, só que não teve competência para fazer o gol. Somente no primeiro tempo, quando teve posse de bola de 52%, foram 11 finalizações, contra 5 da Portuguesa.

Logo após sofrer o gol, Ganso teve chance, mas parou no goleiro Neguete. Em seguida, o meia tocou bem para Gabriel Teixeira, que finalizou rente à trave. De novo Ganso, minutos depois, deixou Samuel livre para empatar, mas o jogador errou a bola.

Ainda houve oportunidades em falta de longe de Gabriel Teixeira e bela jogada de Jhon Kennedy, que o goleiro defendeu em cima da linha. Nos acréscimos, Ganso finalizou com categoria, depois de aplicar um lençou em um zagueiro, mas Neguete evitou mais uma vez o empate.

No segundo tempo, a Portuguesa voltou disposta a matar o jogo. Emerson Carioca subiu livre no meio dos dois zagueiros do Fluminense, e ampliou. Aos 13, Ganso foi desarmado após receber passe ruim, e a Portuguesa não perdoou. Romarinho recebeu na frente e tocou para Chat fazer o terceiro.

O técnico Ailton Ferraz não conseguiu fazer a equipe do Fluminense reagir. Mesmo com alterações, a Portuguesa continuou dona da partida e fez valer toda a sua experiência e maior tempo de treinamento, que justificam a boa campanha até aqui.