Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.348,80
    -3.132,20 (-2,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.892,28
    -178,62 (-0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,04
    -0,32 (-0,61%)
     
  • OURO

    1.827,70
    -2,20 (-0,12%)
     
  • BTC-USD

    36.610,73
    +1.610,07 (+4,60%)
     
  • CMC Crypto 200

    701,93
    -33,21 (-4,52%)
     
  • S&P500

    3.768,25
    -27,29 (-0,72%)
     
  • DOW JONES

    30.814,26
    -177,24 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.735,71
    -66,25 (-0,97%)
     
  • HANG SENG

    28.573,86
    +76,96 (+0,27%)
     
  • NIKKEI

    28.519,18
    -179,12 (-0,62%)
     
  • NASDAQ

    12.759,00
    -43,25 (-0,34%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3864
    +0,0729 (+1,15%)
     

Na tentativa de matar ex, homem derruba parede de casa com micro-ônibus em MG

Redação Notícias
·3 minuto de leitura
Depois da batida, ele ainda deu ré no veículo e o jogou novamente contra a residência (Foto: Reprodução/Twitter)
Depois da batida, ele ainda deu ré no veículo e o jogou novamente contra a residência (Foto: Reprodução/Twitter)

Um homem de 54 anos é suspeito de tentar matar a ex-namorada com um micro-ônibus. Na tentativa de atropelamento, na manhã desta segunda-feira (21), ele derrubou um poste da rede de energia e um muro de uma casa em Congonhas, cidade a cerca de 80 quilômetros de Belo Horizonte (MG). As informações são do Uol.

Um vídeo que circula pelas redes sociais mostra o momento em que o homem colidiu contra a casa onde a vítima estava, derrubando o muro e a parede da frente do imóvel. Após a primeira baitda, o homem deu ré no veículo e o jogou novamente contra a residência.

De acordo com o boletim de ocorrência da Polícia Militar, dois carros e um poste foram danificados e uma moto teve perda total. Ainda segundo o documento, alguns quarteirões ficaram sem luz durante a manhã e as casas próximas ao acidente ficaram sem telefone fixo.

Moradores que filmavam a ação ficaram desesperados e pediam por ajuda. Apesar do susto, nenhum morador se feriu.

Homem ateou fogo na casa da ex

De acordo com o jornal, a vítima de 51 anos contou à polícia que ela já vinha sofrendo ameaças do suspeito há um tempo, o que seria o motivo de ter terminado o namoro. O homem não teria aceitado o fim do relacionamento e reagiu ateando fogo na casa dela nesta madrugada.

Após o episódio, a mulher foi até a casa da filha — a que teve o muro derrubado. O suspeito, que trabalha com transporte de funcionários de uma empresa terceirizada, teria desviado a rota e, ao invés de pegar os funcionários, foi tentar matar a ex- namorada.

Leia também

De acordo com a empresa, ele foi contratado como motorista há um mês e não apresentou, neste período, nenhum desvio de comportamento.

No ônibus, foi encontrada uma lâmina amarrada no cinto de segurança. Com as batidas, o homem teve apenas ferimentos no pescoço e não corre risco de morrer. Ele foi atendido pelo Samu e encaminhado ao Hospital Bom Jesus em Congonhas.

Segundo a polílicia, o homem será encaminhado para a delegacia assim que tiver alta hospitalar e poderá responder pelos crimes de direção perigosa, dano qualificado e tentativa de homicídio.

Feminicídio cresce no Brasil

O crime de feminicídio foi tipificado em 2015 e, desde então, os números referentes a esse crime crescem a cada ano. Em 2018, foram registrados 1.229 boletins de ocorrência de feminicídio, enquanto em 2019 foram 1.326. É o que mostra o Anuário Brasileiro de Segurança Pública.

Por outro lado, caiu o número de registros de homicídios dolosos de mulheres. Em um ano, o índice passou de 3.111 para 2.404. Segundo a análise feita pelos pesquisadores, esse poderia ser um indicativo de que os estados melhoraram a “capacidade de seus efetivos policiais para a investigação adequada de mortes violentas de mulheres”.

A maior parte das vítimas de feminicídio, 66,6%, são mulheres negras. O índice mostra que elas estão mais vulneráveis a esse tipo de crime, já que são 52,4% da população feminina no país. O Atlas da Violência de 2020 já apontava que o número de mulheres negras vítimas de feminicídio, em 2018, era o dobro de mulheres não negras.