Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.672,26
    +591,96 (+0,60%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.741,50
    +1.083,60 (+2,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    107,06
    -0,56 (-0,52%)
     
  • OURO

    1.828,10
    -2,20 (-0,12%)
     
  • BTC-USD

    21.346,85
    -8,12 (-0,04%)
     
  • CMC Crypto 200

    462,12
    +8,22 (+1,81%)
     
  • S&P500

    3.911,74
    +116,01 (+3,06%)
     
  • DOW JONES

    31.500,68
    +823,28 (+2,68%)
     
  • FTSE

    7.208,81
    +188,36 (+2,68%)
     
  • HANG SENG

    21.719,06
    +445,16 (+2,09%)
     
  • NIKKEI

    26.491,97
    +320,77 (+1,23%)
     
  • NASDAQ

    12.132,75
    -7,75 (-0,06%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5317
    +0,0200 (+0,36%)
     

Na Suíça, Tribunal de Justiça considera que motoristas de Uber são empregados

O Tribunal Superior da Suíça decidiu na última sexta-feira (3) que motoristas parceiros da Uber são empregados. Foto: Hollie Adams/Getty Images.
O Tribunal Superior da Suíça decidiu na última sexta-feira (3) que motoristas parceiros da Uber são empregados. Foto: Hollie Adams/Getty Images.
  • Tribunal de Justiça da Suíça decidiu que motoristas parceiros da Uber são empregados da companhia;

  • Sobre a decisão, a empresa afirmou que não há “outra opção além de suspender temporariamente [seus] serviços" em Genebra;

  • Desse modo, a partir da meia-noite deste sábado (4), a empresa não poderá operar na região.

O Tribunal Superior da Suíça decidiu na última sexta-feira (3) que motoristas parceiros da Uber, companhia de transporte por aplicativo, devem ser considerados empregados, e confirmou decisão de Genebra em que se exige o cumprimento da lei para a continuidade das atividades da empresa na região.

"Segundo o Supremo Tribunal Federal, o tribunal de cantão não atuou arbitrariamente ao decidir que os motoristas da Uber, que trabalhavam em Genebra, tinham vínculo empregatício com a Uber BV. O Supremo Tribunal Federal nega provimento ao recurso correspondente", informou a Corte em comunicado que acompanhou o veredito.

Leia também:

"Em resumo, os motoristas de Uber não podem mais ser considerados como autônomos, mas reconhecidos como empregados", continuaram as autoridades. Desse modo, a partir da meia-noite deste sábado (4), a empresa não poderá funcionar em Genebra.

Sobre a decisão, a empresa afirmou que não há “outra opção além de suspender temporariamente [seus] serviços no cantão até uma retomada do diálogo com as autoridades para que seja encontrada uma solução aceitável para todos".

A companhia, sediada na Califórnia, nos EUA, é acusada em diversos países de burlar padrões nacionais de proteção ao trabalho, evitando negociações coletivas com seus motoristas parceiros.

*Com informações da AFP e da Reuters.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos