Mercado fechará em 4 hs
  • BOVESPA

    130.689,26
    +1.248,23 (+0,96%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.207,07
    -79,39 (-0,15%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,33
    +0,42 (+0,59%)
     
  • OURO

    1.866,20
    -13,40 (-0,71%)
     
  • BTC-USD

    40.666,68
    +4.589,77 (+12,72%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.011,90
    +43,06 (+4,44%)
     
  • S&P500

    4.237,12
    -10,32 (-0,24%)
     
  • DOW JONES

    34.257,59
    -222,01 (-0,64%)
     
  • FTSE

    7.146,68
    +12,62 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,23 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    29.161,80
    +213,07 (+0,74%)
     
  • NASDAQ

    14.034,25
    +40,00 (+0,29%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1343
    -0,0583 (-0,94%)
     

Na pandemia, brasileiro come mais mingau e prefere marmita

·2 minuto de leitura
Oatmeal porridge in bowl for breakfast on rustic wooden table
Mingau é importante para classes mais baixas na tentativa de preservar alimentação, segundo gerente do estudo
  • Crise na pandemia fez com que brasileiros substituíssem refeições por mingau

  • Consumo de marmita e de sanduíches frios aumentou entre as classes mais baixas

  • Com bife e filé caros, brasileiros escolheram carnes mais baratas

Com a alta no preço dos alimentos, o brasileiro passou a substituir refeições por mingau, um dos pratos mais consumidos entre as classes sociais C, D e E, segundo o estudo "Consumer Insights", da empresa de dados e consultoria Kantar. O aumento do consumo do alimento em comparação com o mesmo período do ano passado foi de 8 pontos percentuais no jantar, enquanto no lanche foi de 3,9 pontos e na ceia chegou a 2,8 pontos. as informações são do UOL.

Leia também:

Menos carne, mais marmita

Além do mingau, também aumentou o consumo de marmitas em todas as classes, com destaque para D e E (32,6%) e C (31%), enquanto nas classes A e B o aumento foi de 1,3%.

Sanduíches feitos em casa com frios também são mais consumidos agora. O pão chegou a 6,2 milhões de novas casas brasileiras, um crescimento de 11 pontos percentuais no primeiro trimestre do ano. Com isso, agora a proteína preferida como par do pão agora é o presunto, que esteve chegou a mais 8,4 milhões de novos lares e teve crescimento de 14,8 pontos na penetração.

Com bifes e filés mais caros, a carne foi trocada por salsicha pelas classes D e E, enquanto a classe C escolheu o hambúrguer.

Rice, stewed vegetables, egg, teriyaki chicken - healthy balanced lunch box on a dark background, top view. Home food for office concept
Consumo de mamita no Brasil aumentou D e E (32,6%) e C (31%)

Reflexo da crise

A crise econômica provocada pela pandemia, diminuição dos valores do auxílio emergencial e aumento da inflação são os principais fatores que levaram a esse comportamento, segundo o gerente de soluções da Kantar, Renan Morais.

Morais lembra que no início deste ano a crise começou a se agravar e o consumo foi reduzido e adaptado pelas classes mais baixas. “Dentro desse cenário, o mingau tem um papel forte para classes mais baixas na tentativa de preservar a alimentação, principalmente de crianças”, explica