Mercado fechado
  • BOVESPA

    130.207,96
    +766,93 (+0,59%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.029,54
    -256,92 (-0,50%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,00
    +0,12 (+0,17%)
     
  • OURO

    1.867,60
    +1,70 (+0,09%)
     
  • BTC-USD

    40.396,27
    +1.548,00 (+3,98%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.002,43
    +33,59 (+3,47%)
     
  • S&P500

    4.255,15
    +7,71 (+0,18%)
     
  • DOW JONES

    34.393,75
    -85,85 (-0,25%)
     
  • FTSE

    7.146,68
    +12,62 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,23 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    29.161,80
    +213,07 (+0,74%)
     
  • NASDAQ

    14.119,00
    -5,75 (-0,04%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1462
    +0,0147 (+0,24%)
     

Na pandemia, 25% dos donos de carros de SP querem vendê-los

·1 minuto de leitura
Buying new car concept. Vector of a businessman hand exchanging a new car for money
Buying new car concept. Vector of a businessman hand exchanging a new car for money
  • Um quarto dos moradores da Grande São Paulo quer vender carro

  • 64% deles planeja investir dinheiro na bolsa

  • 22% quer investir em imóveis

Cerca de 25% dos moradores da Grande São Paulo que têm um carro querem vendê-lo, mas não planejam comprar outro veículo. É o que mostra uma pesquisa da Turbi, startup de aluguel de carro por aplicativo, que ouviu 6 mil pessoas sobre os impactos da pandemia da covid-19 na relação dos brasileiros com os veículos.

Leia também:

Nesse grupo, 64% mostraram interesse em investir o dinheiro da venda na bolsa de valores, enquanto 22% preferem comprar imóveis. “Assim, é possível transformar um artigo que, no momento, está gerando apenas custo para transformá-lo em um patrimônio real”, diz o CEO da Turbi, Diego Lira.

Despesas e pandemia

A fala de Lira é explicada pela opinião de 42% dos entrevistados que não querem mais um carro próprio porque as despesas geradas pelo veículo estão muito altas, como IPVA (Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores), seguro e manutenção. Além disso, para 21% o motivo é que o automóvel é pouco usado. 

“Com os movimentos gerados pela pandemia, como home office, trabalho híbrido, lockdown e distanciamento social, outra questão começou a incomodar muitos proprietários de veículos: a desproporcional relação custo-benefício”, afirma Lira.

Segundo o CEO, a empresa notou junto aos clientes que “a ociosidade do carro próprio parado na garagem na garagem é custosa e que as pessoas cada vez mais veem o carro como um serviço, para se deslocar livremente e de forma segura, sem o custo fixo”.