Mercado abrirá em 4 h 53 min
  • BOVESPA

    121.801,21
    -1.775,35 (-1,44%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.195,43
    -438,48 (-0,85%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,12
    -0,03 (-0,04%)
     
  • OURO

    1.816,40
    +1,90 (+0,10%)
     
  • BTC-USD

    38.763,59
    +979,43 (+2,59%)
     
  • CMC Crypto 200

    960,46
    +33,70 (+3,64%)
     
  • S&P500

    4.402,66
    -20,49 (-0,46%)
     
  • DOW JONES

    34.792,67
    -323,73 (-0,92%)
     
  • FTSE

    7.115,68
    -8,18 (-0,11%)
     
  • HANG SENG

    26.214,08
    -212,47 (-0,80%)
     
  • NIKKEI

    27.728,12
    +144,04 (+0,52%)
     
  • NASDAQ

    15.092,00
    +18,50 (+0,12%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1463
    +0,0280 (+0,46%)
     

Na OMC, UE e Japão cobram alteração de programas de incentivos do Brasil

Eles questionam como Brasília vai alterar a Lei de Informática até o fim de dezembro como prometeu A União Europeia (UE) e o Japão colocaram pressão sobre o Brasil nesta sexta-feira na Organização Mundial do Comércio (OMC), suspeitando que o país latino-americano não cumpriu compromisso de revogar programas de incentivos considerados ilegais e questionando como Brasília vai alterar a Lei de Informática até o fim de dezembro como prometeu. Nesta sexta, durante o Órgão de Solução de Controvérsias, o Brasil relatou como estava ajustando programas de políticas que foram denunciados pela UE e Japão na OMC e condenados pelos juízes da entidade global nas duas instâncias (painel e Órgão de Apelação). Os programas foram adotados no governo da ex-presidente Dilma Rousseff. A delegação brasileira afirmou que cumpriu um primeiro prazo, de 21 de junho, para retirar a exigência de conteúdo local para os produtores se beneficiarem de incentivos pelo cumprimento dos Processos Produtivos Básicos (PPBs). E que, ao mesmo tempo, novos PPBs foram implementados nas novas condições, considerados pelo Brasil como consistentes com as regras da OMC. A UE e o Japão, porém, reagiram com cobranças. Primeiro, estimam que o Brasil não revogou todas as portarias que garantem os benefícios condenados via PPBs. E, segundo, deixaram clara a dúvida de que as novas condições, estabelecidas em novas portarias pelo governo, sejam compatíveis com as regras da OMC. O Brasil tem um segundo prazo, que termina no dia 31 de dezembro para ajustar a Lei de Informática, que vigora até 2029, e também o Padis (semicondutores), que vigora até o início de 2022. A delegação brasileira reiterou que a intenção do governo é de cumprir o prazo, com alterações nesses programas também condenados pela OMC. Na sua decisão, os juízes da OMC tinham considerado que o Brasil violou a regra de tratamento nacional porque o subsídio vem por redução de imposto indireto, o IPI. A mesma lógica se aplicou no caso do PIS/Cofins. A promessa brasileira de revisão nas próximas semanas foi, porém, recebida com claro ceticismo. Europeus e japoneses questionaram como isso vai ocorrer, num prazo tão curto. O que ficou claro é que a pressão aumenta sobre o governo, para implementar as mudanças e rever o que já foi feito, para não correr o risco de prolongar a disputa na OMC.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos