Mercado fechará em 3 h 57 min
  • BOVESPA

    108.583,13
    +1.204,21 (+1,12%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.456,34
    +189,14 (+0,45%)
     
  • PETROLEO CRU

    44,38
    +1,32 (+3,07%)
     
  • OURO

    1.801,40
    -36,40 (-1,98%)
     
  • BTC-USD

    19.330,20
    +878,24 (+4,76%)
     
  • CMC Crypto 200

    380,38
    +10,63 (+2,87%)
     
  • S&P500

    3.607,21
    +29,62 (+0,83%)
     
  • DOW JONES

    29.932,52
    +341,25 (+1,15%)
     
  • FTSE

    6.418,13
    +84,29 (+1,33%)
     
  • HANG SENG

    26.588,20
    +102,00 (+0,39%)
     
  • NIKKEI

    26.165,59
    +638,22 (+2,50%)
     
  • NASDAQ

    11.905,75
    +0,50 (+0,00%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3927
    -0,0476 (-0,74%)
     

Na contramão de loja física, varejo online acelera contratação temporária na Black Friday

JOANA CUNHA, FILIPE OLIVEIRA E MARIANA GRAZINI
·1 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Impulsionado pela quarentena, o comércio eletrônico vai expandir a contratação de trabalhadores temporários para a Black Friday e o Natal, em um movimento que vai na contramão do que as lojas físicas pretendem fazer neste ano. No Mercado Livre, a meta é ampliar a equipe em dez vezes mais do que na temporada de 2019, levando 5.300 pessoas aos centros de distribuição e 5.000 motoristas terceirizados. O Magazine Luiza vai contratar 3.000 na logística para o fim do ano. Nas lojas físicas, por outro lado, as previsões da Confederação Nacional do Comércio estimam para este ano o menor número de vagas sazonais no varejo desde 2015. A Black Friday deste ano deve registrar disposição de consumo mais forte entre as pessoas que não têm conta-corrrente, segundo o Instituto Locomotiva: enquanto 66% dos desbancarizados pretendem gastar como no ano passado, quase 50% dos que têm conta em banco dizem que vão gastar menos.