Mercado fechará em 3 h 20 min
  • BOVESPA

    107.949,44
    -772,14 (-0,71%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.302,44
    -746,61 (-1,38%)
     
  • PETROLEO CRU

    75,43
    +1,32 (+1,78%)
     
  • OURO

    1.881,50
    +2,00 (+0,11%)
     
  • BTC-USD

    22.934,98
    +138,78 (+0,61%)
     
  • CMC Crypto 200

    526,99
    +1,04 (+0,20%)
     
  • S&P500

    4.102,66
    -8,42 (-0,20%)
     
  • DOW JONES

    33.776,31
    -114,71 (-0,34%)
     
  • FTSE

    7.851,00
    +14,29 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    21.298,70
    +76,54 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    27.685,47
    -8,18 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    12.508,75
    -6,75 (-0,05%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5519
    +0,0326 (+0,59%)
     

Na China, algoritmo de aplicativo de delivery dita ritmo frenético a entregadores

Segundo especialista, o algoritmo é feito para maximizar a eficiência e vem prejudicando o ser humano. Foto: Getty Images.
Segundo especialista, o algoritmo é feito para maximizar a eficiência e vem prejudicando o ser humano. Foto: Getty Images.
  • Na China, o setor de entrega de comida gera cerca de US$ 104 bilhões.

  • Segundo entregadores, o problema está no algoritmo das plataformas;

  • Estas maximizariam a eficiência, de forma a fazer os pedidos chegarem mais rápido.

Na China, entregadores de comida estão tentando atender ao ritmo frenético colocado pelos algoritmos das plataformas de delivery, de forma a satisfazer clientes. No país, o setor é particularmente bastante usado, e a pandemia de Covid-19 intensificou o costume.

Segundo uma federação local, a área movimenta 664 bilhões de yuans, cerca de quase US$ 104 bilhões. Desse modo, uma massa de entregadores sai pelas ruas chinesas com o intuito de satisfazer a fome de milhões de pessoas.

Leia também:

Contudo, em meio à pressão imposta pelas plataformas de entrega de comida, as autoridades da China divulgaram, em julho, novas regras que garantam um salário mínimo superior e cargas horárias ponderadas.

Antes dessas ações, diversos escândalos tomaram conta do país, expondo a precariedade da função. Ainda assim, as melhorias estão demorando a acontecer, segundo afirmações de diversos entregadores.

Um dos trabalhadores afirma que, anteriormente, um aplicativo de entrega dava cerca de 40 a 50 minutos para finalizar a entrega do pedido. Agora, a plataforma cobra que o pedido seja efetivado em até 30 minutos para raios de entrega de 2 quilômetros.

Muitos dos entregadores acreditam estar colocando a vida em risco por causa dos algoritmos, que determinam os pedidos a serem aceitos de acordo com a posição geográfica, e estabelecendo um tempo específico de entrega.

De acordo com Kendra Schaefer, especialista da consultoria Trivium, em Pequim, o algoritmo é feito para maximizar a eficiência, aspecto que vem prejudicando o ser humano.

As informações são da Exame.