Número de tentativas de fraude contra o consumidor foi recorde em 2012

SÃO PAULO – Em 2012, houve recorde no número de tentativas de fraudes contra os consumidores brasileiros. De acordo com a Serasa Experian, entre janeiro e dezembro do ano passado ocorreram 2,14 milhões de tentativas – quantidade recorde desde dezembro de 2010, quando começaram os levantamentos. Em 2011 foram 1,96 milhão e em 2010, 1,87 milhão de registros neste mesmo período.

O setor de telefonia e de serviços lideraram as ocorrências em 2012. Serviços – que incluem seguradoras, construtoras, imobiliárias e serviços em geral como pacotes turísticos, salões de beleza, etc – foram 746.318 registros, ou seja, 35% do total. Foi o setor com mais fraudes nas outras duas medições (34% em 2011 e 31% em 2010).

Já o setor de telefonia passou a assumir a liderança em 2012, com 749.213 casos de tentativas de fraude: também com 35% dos registros.

Outros setores
O ranking da Serasa é composto também por bancos e financeiras (18% das tentativas de fraude), varejo (10%) e outros (2%).

Apesar da alta nos setores em geral, houve queda na participação dos bancos nas tentativas de fraude. Em 2010 eram 28% dos casos; em 2011 o índice foi de 26% e em 2012, 18%. Segundo a Serasa, houve esta queda por conta da retração na procura do crédito, sendo que, telefonia e serviços aumentaram suas participações nas fraudes.

De acordo com a Serasa , a popularização da internet e das mídias sociais é apontada como um fator impulsionador desse tipo de ação criminosa.

Para a Serasa, é comum as pessoas fornecerem seus dados pessoais em cadastros na internet sem verificar a idoneidade e a segurança dos sites. “Os golpistas costumam até comprar telefone para ter um endereço e comprovar residência (por meio de correspondência) e, assim, abrir contas em bancos para pegar talões de cheque, além de cartões de crédito e fazer empréstimos bancários em nome de outras pessoas”, relata a instituição.

O que fazer?
Estão mais suscetíveis às fraudes os consumidores que tiveram seus documentos roubados. Com apenas o RG ou o CPF em mãos de criminosos, já dobra a possibilidade da vítima sofrer uma fraude.

A Serasa orienta que, quando a pessoa for vítima de roubo, perda ou extravio de documentos, a primeira medida é cadastrar a ocorrência gratuitamente na base de dados da instituição, no link www.serasaconsumidor.com.br. Após isso, esta informação estará disponível na mesma hora para o mercado.

Depois, o consumidor deve fazer um boletim de ocorrência. Assim, sempre que ele for consultado, o concedente de crédito saberá que se trata de um documento roubado e terá mais cuidado ao fechar o negócio.

Carregando...