Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.880,82
    +1.174,91 (+0,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.219,26
    +389,95 (+0,80%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,51
    +1,69 (+2,65%)
     
  • OURO

    1.844,00
    +20,00 (+1,10%)
     
  • BTC-USD

    49.746,45
    +593,74 (+1,21%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,33
    +39,77 (+2,93%)
     
  • S&P500

    4.173,85
    +61,35 (+1,49%)
     
  • DOW JONES

    34.382,13
    +360,68 (+1,06%)
     
  • FTSE

    7.043,61
    +80,28 (+1,15%)
     
  • HANG SENG

    28.027,57
    +308,90 (+1,11%)
     
  • NIKKEI

    28.084,47
    +636,46 (+2,32%)
     
  • NASDAQ

    13.398,00
    +297,75 (+2,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4040
    -0,0085 (-0,13%)
     

Número de desempregados no Brasil chega 14,4 mi e atinge máxima histórica

Camila Moreira e Rodrigo Viga Gaier
·3 minuto de leitura
Número de desempregados no Brasil chega 14,4 mi

Por Camila Moreira e Rodrigo Viga Gaier

SÃO PAULO/RIO DE JANEIRO (Reuters) - O número de desempregados no Brasil voltou a crescer no trimestre encerrado em fevereiro e chegou ao maior nível desde o início da série histórica em 2012, com o mercado de trabalho ainda marcado pela informalidade em meio ao recrudescimento da pandemia de Covid-19 no país.

A taxa de desemprego foi a 14,4% nos três meses até fevereiro, de acordo com os dados divulgados nesta sexta-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), de 14,1% no trimestre imediatamente anterior.

Pesquisa da Reuters apontou que a expectativa para a taxa apurada pela Pnad Contínua era de 14,5%, depois de a taxa ter ficado nos três meses até janeiro em 14,2%.

O mercado de trabalho, que costuma ser o último a se recuperar em tempos de crise chegou a mostrar alguma força no final do ano passado. Mas agora enfrenta uma grave piora da pandemia de Covid-19.

O número de pessoas desempregadas no Brasil nos três meses até fevereiro chegou a 14,423 milhões, o maior contingente desde 2012, início da série histórica da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) Contínua.

O número representa alta de 2,9% sobre o trimestre até novembro e de 16,9% ante o mesmo período de 2020.

"Ao nos afastarmos do fim do ano, temos um movimento esperado de dispensa de trabalhadores, liberados de empregos sazonais, e também tem o efeito da pandemia", explicou a analista da pesquisa, Adriana Beringuy.

“O primeiro trimestre desenha aumento da desocupação recorde. Fevereiro não teve Carnaval e outros eventos, estamos perdendo a robustez da ocupação que vimos no fim do ano passado", completou.

Enquanto isso, o total de pessoas ocupadas avançou apenas 0,4% entre dezembro e fevereiro na comparação com o trimestre anterior, e caiu 8,3% sobre o mesmo período do ano passado, chegando a 85,899 milhões de trabalhadores.

"Não houve, nesse trimestre, uma geração significativa de postos de trabalho, o que também foi observado na estabilidade de todas as atividades econômicas, muitas ainda retendo trabalhadores, mas outras já apontando um processo de dispensa como o comércio, a indústria e alojamentos e alimentação", disse Beringuy.

Esse avanço no contingente de ocupados continuou se dando por meio da informalidade. Os empregados no setor privado com carteira de trabalho caíram 0,9% sobre o trimestre de setembro a novembro, enquanto os que não tinham carteira assinada cresceram 0,6%.

Já os trabalhadores por conta própria chegaram a 23,653 milhões no trimestre encerrado em fevereiro, o que representa uma alta de 3,1% sobre o período anterior

"Não sabemos se o mercado vai responder à demanda de vagas em um momento de pandemia e de abre e fecha da economia por conta do isolamento. Temos que esperar para ver se é uma perda de gás natural de começo de ano ou se tem a ver com o agravamento da pandemia“, disse Beringuy.

Entre os dez grupos de atividades pesquisadas, todos apresentaram estabilidade na taxa de ocupação em relação ao trimestre móvel anterior, de setembro a novembro.

Em março, segundo dados do Ministério da Economia, a criação de vagas formais de trabalho desacelerou e os requerimentos ao seguro-desemprego atingiram o maior patamar em oito meses, movimento que coincidiu com o recrudescimento da pandemia da Covid-19 no país.